Código de ética bancário: saiba mais sobre a carreira bancária

codigo-etica-bancario
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Um dos principais documentos presentes nas empresas é o código de ética, que será um norteador de como se deve agir dentro da instituição.

Nesse contexto, o código de ética das instituições bancárias são a base para que elas consigam manter a competitividade e a sua imagem no mercado.

O que é o Código de Ética?

De forma geral, o código de ética visa estabelecer quais são os direitos e deveres que uma empresa, instituição ou categoria profissional deve seguir, tendo como base para sua formulação a missão, cultura e valores da empresa.

Nesse sentido, ele é um documento que além de versar sobre a forma como os funcionários devem se portar, também visa regular todo o funcionamento da empresa.

Apesar de cada empresa e classe de trabalhadores possuírem o seu próprio código de conduta, existem algumas características em comum entre eles:

  • Proteção do patrimônio da empresa;
  • Transparência na forma de se comunicar;
  • Assédio sexual ou profissional;
  • Respeito entre chefes e funcionários.

Importante salientar que tudo o que está previsto dentro do código de ética pode ou não estar em linha com as normas civis do país.

Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Como é o código de ética no setor bancário?

Assim como outras classes de trabalhadores, o setor bancário também possui seu código de ética. Salienta-se, que apesar de existir um código geral, cada um dos bancos que atuam no país criam o seu próprio documento.

No que versa sobre as instituições bancárias, a ética apresenta não só as diretrizes de um melhor convívio social entre os funcionários, mas também a manutenção da forma como a instituição é vista pela sociedade, através de seu posicionamento.

Nesse sentido, é possível perceber semelhanças entre os diversos documentos presentes no mercado, entretanto como cada um apresenta missão, cultura e valores diferentes, é natural encontrar pontos específicos em cada um deles.

De forma específica, e muitas vezes diferente do que os códigos de outras empresas, é comum perceber que os códigos dos bancos apresentem informações relativas a compliance, conflito de interesses, lavagem de dinheiro, entre outros.

Nessa linha, o código de ética das grandes instituições bancárias do país aborda não só questões internas, mas também as relações com acionistas, investidores, credores e fornecedores, concorrentes e governos, em alguns casos.

O principal impacto que um código de ética causa para essas instituições está relacionado ao risco de imagem, o qual é primordial manter de forma sólida, para que assim ela consiga competir com os demais players do mercado.

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Baixe o ebook gratuito e confira 30 dicas que te ajudarão a se planejar da melhor forma para os exames de certificação. 

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Vantagens do código de ética

Como demonstrado, o código de ética tem como foco desenvolver nos funcionários os princípios éticos e as condutas morais que cada empresa considera como correta e em linha com o seu negócio.

Assim, entre as principais vantagens de desenvolver e aplicar um código de ética dentro das instituições são:

  1. Promover o alinhamento de posturas entre funcionários e empresa;
  2. Apresenta um caráter de educar os funcionários;
  3. Protege tanto funcionários quanto a própria empresa;
  4. Transforma as relações sociais;
  5. Consolida a cultura da organização;
  6. Tende a melhorar a forma como a empresa é vista pelo mercado.

Dessa maneira, a elaboração do código de ética garante vantagens não só internas, mas também externas, principalmente quando se fala em mercado financeiro, onde os agentes tendem a ver com melhores olhos empresas com práticas éticas e morais.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas