Private banking: como funciona essa área do mercado financeiro?

private banking
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

O private banking é conhecido por ser responsável pelos investimentos das pessoas mais ricas. Em geral, todos grandes bancos comerciais oferecem esse tipo de serviço.

Isto porque, podemos dizer que o private banking é especializado na gestão de grandes fortunas.

O que é o private banking?

O private banking é um serviço oferecido por bancos para clientes com um grande patrimônio. Ou seja, para ter acesso a esse serviço, seja preciso ter uma fortuna de alguns milhões de reais, pelo menos.

Por ser um banco de alta renda, o private banking oferece diversos benefícios para seus clientes. Primeiramente, os clientes contam com o apoio dos melhores profissionais, já que são os clientes mais interessantes para o banco.

A equipe a disposição é muito completa, atendendo a todas as demandas financeiras do cliente, como um possível planejamento sucessório ou tributário. Normalmente, os clientes dos private bank são grandes empresários, presidentes de empresas ou até artistas muito famosos.

A atividade do private banking vem crescendo muito entre os detentores de grandes fortunas no Brasil, atingindo em 2018 a marca de mais de R$1 trilhão. Esse setor vem crescendo nessa velocidade por conta da alta competitividade dos bancos na busca de grandes clientes.

Afinal, um cliente com muitos recursos pode investir em fundos de investimentos do banco, por exemplo, pagando taxas de administração.

Como funciona um private bank?

private banking

Como dito antes, os clientes do private bank são pessoas com elevado patrimônio e disponibildiade de recursos. Isto, para uma instituição financeira, é extremamente interessante.

Na grande maioria das vezes, as pessoas que procuram esses serviços não têm um conhecimento muito profundo sobre investimentos. Por isso, para administrar bem os recursos, muitas dessas pessoas buscam as vantagens do private banking.

Desta forma, através de fundos de investimento, previdência privada, entre outros investimentos geridos pelo banco, é possível diversificar as aplicações dos clientes e lucrar bastante com a cobrança de taxas.

Muitas vezes, pode até ser cobrado uma taxa de performance, quando a rentabilidade do fundo superar alguma rentabilidade definida como “base”. Por isso, pode ser uma relação de ganha-ganha, uma vez que quanto melhor for o retorno do cliente, maior será a remuneração do banco.

Como trabalhar com private banking?

O profissional de private banking é fundamental para atração e retenção de clientes para o serviço. Este profissional é também conhecido no mercado como private banker.

Existem alguns requisitos para que um profissional do mercado financeiro esteja qualificado para atuar no private banking, como:

  • Formação universitária em economia, administração, contábeis e afins;
  • CFP (Certified Financial Planner);
  • Importante saber falar inglês;
  • Experiência em mercado financeiro.

Além disso, é muito importante que esse profissional saiba lidar bem com pessoas, já que terá que atender clientes de distintos perfis. É muito importante que o private banker esteja sempre estudando o mercado e procurando melhores oportunidades.

Quer tirar sua certificação financeira? Confira os cursos da Certifiquei e se prepare para as provas com o suporte dos melhores profissionais do mercado.

Afinal, é importante levar o melhor resultado possível para seus clientes. O salário deste profissional, no começo da carreira, pode chegar a R$250.000,00 ao ano.

Por isto, quem quer entrar no ramo do private banking deve procurar todo auxílio possível para se capacitar e conseguir trabalhar em banco por intermédio dessa área.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas