Certificado de Operações Estruturadas (COE): o que é e como investir?

Certificado de Operações Estruturadas (COE): o que é e como investir?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Quando o assunto é investimentos, normalmente uma das primeiras indicações é conhecer o perfil de investidor para saber onde aplicar. E uma das opções existentes é o chamado Certificado de Operações Estruturadas.

O Certificado de Operações Estruturadas tem se tornado mais popular por ser uma possibilidade investimento que combina baixo risco com possibilidade de ganho.

O que é o Certificado de Operações Estruturadas?

Certificado de Operações Estruturadas é um tipo de investimento recente no mercado brasileiro que reúne itens de renda fixa e de renda variável.

Também chamado de COE, esse título é uma versão brasileira das chamadas Notas Estruturadas, um tipo de renda comum nos Estados Unidos e Europa. Além disso, ela é uma boa forma de variar os investimentos que uma pessoa realiza de forma a correr baixos riscos.

Sendo assim, ele se torna uma ótima opção para quem deseja uma boa rentabilidade fazendo uso do risco pequeno que a renda fixa possui com a alta possibilidade de rentabilidade da renda variável.

Isso se dá uma vez que, como o nome sugere, ele é uma operação estruturada, ou seja, uma operação do mercado que combina dois ou mais ativos.

Quais os tipos de COE?

Ao todo, existem três tipos de COE, sendo eles:

  • capital protegido;
  • capital em risco; e
  • Autocallable.

E a principal diferença entre ambos os COEs se dá principalmente na rentabilidade e na proteção que cada um oferece ao investidor. No primeiro existe total garantia do valor investido, e ele é o mais negociado em nosso país.

Já no capital em risco, a garantia de retorno do capital é parcial, e existe a possibilidade de perda do dinheiro investido até o limite.

A vantagem oferecida por esse de investimento é a possibilidade de retornos superiores ao de capital protegido, justamente pelo risco que ele possui.

O Autocallable, no entanto, é estruturado de forma a possuir cupons pré-definidos conforme determinadas circunstâncias e datas.

Isso serve tanto para ações nacionais como internacionais e, na prática, se dá assim: se todas as ações estiverem com um preço igual ou superior da data de início, o cupom do período é pago e o COE é encerrado.

Mas se o preço for inferior ao de início, o título ainda fica em aberto até uma próxima data de observação, até o vencimento.

Como investir em COE e qual a rentabilidade desse título?

Para realizar um investimento COE, existem alguns passos os quais podem ser tomados, a fim de que seja feito com segurança. Por isso, se você ficou interessado nesse tipo de título, confira abaixo como fazê-lo:

  1. abra uma conta em uma corretora após avaliar o leque de COEs que ela oferece;
  2. realize um teste de suitability de acordo com o seu perfil de investidor;
  3. escolha qual será o título de investimento;
  4. avalie de forma minuciosa os riscos e assine o termo de ciência de risco; e
  5. transfira a quantidade desejada, começando de fato o investimento.

Assim, analisamos que não é algo muito difícil a se fazer.

Agora, se você ainda possui dúvida, um ponto que pode te ajudar a escolher por este tipo de título é a rentabilidade do COE. Como citado anteriormente, a rentabilidade desse título é composto pela parte aplicada na renda fixa e na que foi aplicada em renda variável.

Sendo assim, existe a segurança do valor garantido. Para isso, a corretora aplica uma grande parcela do capital em títulos de renda fixa e baixo risco, como o CDB por exemplo. A menor parte vai para investimentos que possuem maior possibilidade de restituição, como ações, por exemplo.

Por isso, o Certificado de Operações Estruturadas é uma ótima porta de entrada para novos investidores no Mercado Financeiro e para aqueles que buscam mais retorno, com baixo risco.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas