Índice da Basileia: saiba mais sobre este indicador financeiro

índice-basileia
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Investir em instituições financeiras pode ser um bom negócio, ainda mais no mercado financeiro nacional. Todavia, é importante conhecer algumas ferramentas que auxiliam neste processo, como é o caso do Índice da Basileia.

Isso porque o Índice da Basileia é um dos principais indicadores sobre a retrato financeiro do negócio, sendo que tal informação serve para diferentes tipos de instituição financeira, como o private banking e o banco de crédito, por exemplo.

Tenha uma carreira de sucesso na bolsa de valores! Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem busca os certificados da área. Confira!

O que é o Índice da Basileia

O Índice da Basileia, ou IB, é um indicador utilizado para medir a alavancagem que uma instituição financeira possui, voltado especialmente para bancos. 

Ainda vale destacar que este indicador ganha maior peso quando apontado que o Banco Central exige que todos os bancos possuam o índice em determinado nível.

Simultaneamente, também é útil destacar que outros indicadores, como é o caso da Dívida Líquida/EBITDA, quase não possuem utilidade no processo de análise sobre instituições financeiras. 

Afinal, as dívidas que os bancos possuem fazem parte da própria operação financeira realizada pelas instituições financeiras.

Ou seja, a dívida dos bancos possuem outro tipo de finalidade, pois estas podem servir para a captação de recursos e concessão de crédito. 

Portanto, este tipo de empresa consegue fazer dinheiro com suas próprias dívidas. 

Assim, o IB é um indicador que auxilia no entendimento deste contexto particular. 

Cálculo do IB

O cálculo do Índice da Basileia é o seguinte:

  • IB = PR/RWA

Sendo que:

  1. IB = Índice da Basileia;
  2. PR = Patrimônio de referência;
  3. RWA = Ativos ponderados pelo risco.

Para se chegar ao PR da equação é necessário fazer a soma dos níveis de capital, no caso o Tier 1 e Tier 2.

O Tier 1 é composto pelo Capital Principal e Capital de Referência, sendo que neste se encontram:

  • Reservas de capital;
  • Lucro acumulado;
  • Capital social da instituição financeira (ações de bancos ON e PN).

Vale destacar que este último ponto é voltado especialmente para instituições financeiras de capital aberto.

Enquanto, o Tier 2 é composto pelo Patrimônio de Referência do negócio, isto é, suas dívidas subordinadas. 

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Baixe o ebook gratuito e saiba como fazer sua transição de carreira para o Mercado Financeiro!

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Importância do Índice da Basileia

Como visto até aqui, o IB é o indicador ideal para analisar o endividamento do banco, pois estas empresas possuem particularidades neste dado.

Ou seja, o Índice da Basileia é útil no momento de apresentar a realidade financeira de uma instituição financeira. 

Além disso, o IB também tem um papel importante na análise da carteira de crédito do banco, sendo que para isto são estudados a evolução percentual da Provisão para Devedores Duvidosos, o PDD, e os saldos em atraso. 

Ainda há de se destacar que o histórico de bancos no país é marcado pela presença de oligopólios, isto é, as principais instituições financeiras apresentam dados históricos bons devido à falta de concorrência.

Contudo, isto não é garantia de que estes resultados se repetirão ao longo do tempo, podendo fazer com que o investidor tenha prejuízos.

Dessa forma, utilizar o Índice da Basileia pode tornar o investimento mais seguro e, até mesmo, possibilitar o ganho de proventos mais elevados.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas