Modelo Fleuriet: o que é e para que serve esse método?

Modelo Fleuriet: o que é e para que serve esse método?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Os cálculos relacionados ao capital de giro de uma empresa são muito importantes. Isso porque refletem o financeiro da instituição. Por isso, desde o final da década de 70, o modelo Fleuriet é usado nessa finalidade.

Apesar de ser considerado uma forma nova de análise do capital de giro, o modelo Fleuriet é bastante conhecido entre os profissionais do meio financeiro e contábil.

O que é modelo Fleuriet?

Modelo Fleuriet: o que é e para que serve esse método?

O modelo Fleuriet é uma nova forma de análise de capital de giro e demonstrações financeiras de uma empresa criado em 1978 pelo professor Michel Fleuriet.

Esse modelo é considerado uma das formas de administração empresarial relacionada ao desempenho econômico, financeiro e sustentável de uma empresa em curto e longo prazo com foco na liquidez.

Esse método foi desenvolvido dado que a ideia era criar um modelo de análise dinâmica do capital de giro. Isso porque os modelos mais antigos utilizavam dados estáticos e não eram precisos e refletiam as variações da empresa.

O modelo de Fleuriet considera três indicadores para a análise, que são:

  • Capital de Giro (CDG)
  • Necessidade de Capital de Giro (NCG)
  • Saldo em tesouraria (ST)

Quer se tornar um profissional qualificado para atuar no mercado financeiro? Faça os cursos do Certifiquei!

Para que serve?

O modelo Fleuriet faz parte da rotina administrativa de uma empresa, mas também é utilizado na análise de investimentos por profissionais do setor financeiro.

Isso porque esse modelo de análise dinâmica de capital de giro pode também ser utilizado para avaliação de comportamento das empresas em relação à períodos longos e os efeitos de curso prazo se resolvem ao longo do tempo, mas os de longo prazo precisam de mais atenção.

No entanto, apesar de ter uma técnica utilizada para essa finalidade, não se deve utilizar o modelo Fleuriet sozinho. Esse índice não reflete outros indicadores importantes como o ciclo de vida e o valuation da empresa, e isso pode prejudicar a análise a estimativa de lucro.

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Baixe o ebook gratuito e saiba como fazer sua transição de carreira para o Mercado Financeiro!

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Quais os indicadores mais importantes no modelo Fleuriet?

Na análise dinâmica do capital de giro imposta pelo modelo Fleuriet, três indicadores muito importantes são analisados para ter o resultado.

O primeiro é o CDG, ou Capital de Giro, que representa os recursos da empresa para se manter em funcionamento inicialmente.

O segundo é o NCG, ou necessidade de Capital de Giro, que é o saldo das contas cíclicas em relação as operações da companhia.

E o terceiro é o ST, ou também Saldo em Tesouraria, que representa o saldo financeiro da empresa. Se é positivo, significa que a empresa tem disponibilidade em curto prazo. Se for negativo, significa o contrário e a empresa não tem disponibilidade em curto prazo.

Assim, a análise do modelo Fleuriet varia entre excelente, sólido, insatisfatório, péssimo, muito ruim e alto risco. Cada um desses termos se refere à um nível em que a empresa está de qualidade econômico-financeira.

Para quem atua com administração e gestão de empresas ou análise de investimentos, o modelo Fleuriet pode ser um grande aliado diante do desafio que é escolher a melhor opção de estratégia e investimento.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas