IGP-DI: saiba tudo sobre esse importante índice da economia nacional

IGP-DI: saiba tudo sobre esse importante índice da economia nacional
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Mesmo existindo há décadas e tendo uma enorme a relevância para economia nacional, muitos brasileiros não têm familiaridade com o IGP-DI.

Cenário que se torna ainda mais notório quando analisado que por anos o IGP-DI foi utilizado na matemática financeira que forma a inflação do país.

O que é IGP-DI?

IGP-DI: saiba tudo sobre esse importante índice da economia nacional

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna, é uma das versões da Indíce Geral de Preços, sendo estes medidos pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Existindo desde 1947, ele foi criado com objetivo de calcular os movimentos de preços internos da economia nacional, ignorando os produtos de exportação.

De modo que seu cálculo está diretamente relacionado com a variação de preços existentes nos produtos internos do país no período completo de um mês.

Ou seja, esse índice possui enorme relevância para todos os setores da economia nacional, incluindo o mercado financeiro.

Desse modo, por anos esse índice foi considerado como uma forma de calcular a inflação nacional.

Atualmente, a utilização desse dado está atrelada a reajustes em tarifas públicas, em contratos de planos de saúde mais antigos e em contratos de aluguel.

Vale ressaltar ainda que esse índice tem impacto na vida de todos os brasileiros. Portanto, o entendimento de como ele é calculado é uma ferramenta importante para a população em geral.

Como calcular o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna

O cálculo do índice IGP-DI é realizado através de uma média ponderada entre três índices. São eles:

  1. IPA – Índice de Preços por Atacado;
  2. IPC – Índice de Preços ao Consumidor;
  3. INCC – Índice Nacional de Custo da Construção.

Cada um dos três índices citados afeta o IGP-DI de forma diferente.

O cálculo é realizado da seguinte forma, o IPA é o que tem maior peso, representando 60%. Além disso, esse índice é medido de forma regionalizada.

Logo depois aparece o IPC, que representa 30%, sendo que ele é medido apenas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Por fim, existe o INCC, que é formado com base em dados de 19 capitais do Brasil, sendo estas localizadas em todas as regiões do país.

Os indicadores citados medem preços de itens de bens de consumo e bens de produção, como por exemplo:

  • alimentos;
  • bebidas;
  • matérias-primas;
  • materiais para construção;
  • remédios;
  • embalagens;
  • valor do aluguel;
  • vestuário;
  • educação.

Ou seja, o Índice Geral de Preços voltado ao mercado interno tem como base de sua criação os preços dos produtos mais comuns para a população, sendo que essa média é feita em todas regiões.

Todavia, ele, por vezes, ainda é confundindo com seu “semelhante”, o IGP-M.

Diferenças entre IGP-DI e IGP-M

Com ambos fazendo parte do Índice Geral de Preços, há sempre a possibilidade de fazer a confusão entre os dois índices, ainda mais por serem siglas parecidas.

Todavia, é necessário destacar que existem diferenças fundamentais entre os dois, especialmente na questão em que os índices são baseados.

Criado em 1991, o Índice Geral de Preços do Mercado, ou IGP-M, foi criado com objetivo de medir as correções do Tesouro Direto e das CDBs de renda pós-fixada.

Contudo, com o tempo esse índice se tornou uma ferramenta utilizada para reajustes em contas como aluguel e tarifa de luz.

Ainda assim, sua base é diferente do IGP-DI.

Enquanto o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna é baseado no IPA, IPC e no INCC, o IGP-M é baseado nesses índices, porém com outro foco.

O IGP-M tem como base os índices:

  1. IPA – Índice de Preços por Atacado – Mercado;
  2. IPC – Índice de Preços ao Consumidor – Mercado;
  3. INCC – Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado.

Ou seja, o IGP-M utiliza índices baseados no mercado para indicar a inflação ou deflação de um período.

Além disso, sua base de dados considera as oscilações nos preços entre o dia 21 de um mês e 20 do mês posterior, isso é, o tempo de recorte é diferente em relação ao IGP-DI.

Por fim, mas não menos importante, vale destacar que o IGP-M considera todos os estágios da cadeia de produção, dessa forma é natural que suas oscilações sejam maiores e mais frequentes que outros índices de mesma natureza.

Em suma, essas são as principais diferenças entre esses dois tipos de IGPs.

Tem interesse em trabalhar no mercado financeiro? O Certifiquei possui os melhores cursos preparatórios para os certificados voltados a quem busca trabalhar na área. Confira!

Por que profissionais de investimentos precisam conhecer o IGP-DI

O entendimento sobre economia é uma das características mais importantes para profissionais que atuam no mercado financeiro.

Ou seja, gestores, assessores, contadores, investidores, e todos os outros profissionais atuantes nesse setor necessitam ter conhecimento sobre tudo que envolve o funcionamento da economia.

Dessa forma, não poderia ser diferente com o IGP-DI, sendo esse um dos índices de relevância do sistema econômico nacional e que afeta a população como um todo.

Através dele, é possível entender de forma ampla como estão os mercados de atacado, varejo e construção civil em todo território nacional.

Portanto, é natural que seja relevante o entendimento dele para a análise e realização de alguns tipos de investimentos, entre eles, podemos destacar alguns setores, como o imobiliário ou o público.

Por exemplo, a análise do índice de preços para produtos internos é essencial quando se pretende realizar investimentos imobiliários.

Afinal, esse índice frequentemente é utilizado como ferramenta na hora de realizar ajustes de aluguel.

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Baixe agora nosso ebook gratuito para descobrir o que você precisa para conseguir uma oportunidade no Mercado Financeiro!

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO |
Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Simultaneamente, o IGP-DI também é muito utilizado em análises macroeconômicas que visam calcular valorização e desvalorização de determinado patrimônio.

Além disso, o índice é de relevância para quem busca investir no setor de utilidade pública, sendo que sua interferência também existe sobre empresas do setor público.

A análise desse índice de inflação ainda permite traçar um panorama mais exato sobre diferentes setores da economia e como foi o desempenho desse segmento ao longo dos meses.

Todos, fatores que fazem diferença no cotidiano de um profissional do mercado financeiro.

Não à toa, o IGP-DI é tão importante para aqueles que buscam trabalhar no mercado financeiro, afinal será um índice muito utilizado em sua jornada profissional.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas