Investidor Conservador: quais os investimentos mais recomendados?

Investidor Conservador: quais os investimentos mais recomendados?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Quando falamos sobre aplicações financeiras, diversos são os pontos a se considerar, como por exemplo se ele será em renda fixa, títulos altamente indicados para quem possui um perfil de investidor conservador.

Por meio deste artigo, explicaremos o que é investidor conservador, quais os melhores investimentos para esse perfil e a importância de conhecer o seu perfil de investidor.

O que é ser um investidor conservador?

Dentre os tipos de investidores, o investidor conservador é aquele que dá prioridade para a segurança em todas as aplicações que realiza. Para isso, ele constrói a sua carteira de investimentos principalmente com produtos de baixo risco.

Isso ocorre devido aos seguintes fatos que compõem o perfil de investidor conservador:

  1. ele prefere preservar o seu patrimônio;
  2. existe uma tolerância muito pequena por parte dessa pessoa quanto a perdas;
  3. ele assume poucos riscos, evitando comprometer os investimentos; e
  4. aceita pequenas oscilações na rentabilidade em seus investimentos.

Ainda que sua característica de assumir menos riscos implique também em retornos mais baixos, o investidor conservador consegue manter o seu patrimônio, evitando perder dinheiro em aplicações mais arriscadas e menos previsíveis.

O perfil do investidor conservador é muito comum aos investidores iniciantes, uma vez que, pela falta de experiência e desenvoltura no mercado financeiro, esses preferem arriscar menos e terem certeza do retorno de seu investimento.

Quais os possíveis perfis de investidor?

Ao falarmos sobre diferentes perfis de investidores, é necessário ter em mente que ao todo existem três:

  • perfil investidor conservador, que é o foco neste artigo;
  • perfil de investidor moderado; ou
  • agressivo, também conhecido como perfil arrojado.

A principal diferença entre todos eles é, principalmente, qual a tolerância a riscos que cada um possui.

Vale lembrar que dentro do mundo dos investimentos existe uma relação entre risco e retorno a medida que, quanto mais risco uma aplicação possui, maior se torna a possibilidade de retorno para o investidor.

Para analisar o quanto cada um está disposto a riscos, devem ser analisadas algumas características. Dentre elas, a principal é a situação financeira, tanto de renda mensal que a pessoa recebe como o patrimônio que ele possui.

Além disso, soma-se também pontos como idade, os objetivos pessoais que cada pessoa possui e o conhecimento do mercado financeiro.

Todos estes pontos devem ser analisados em conjunto, tendo em vista que, na grande maioria dos casos, elas implicam na vida financeira.

Agora, independentemente de qual seja o perfil de investidor, uma recomendação é que ela tenha uma carteira de investimentos diversificada. A intenção dessa ação é garantir uma boa rentabilidade a médio e longo prazo, bem como evitar eventuais riscos.

No entanto, para conquistar um melhor resultado, é importante que o investidor evite se afastar da capacidade de risco que ele possui.

Por que é importante conhecer o perfil de investidor?

Para quem faz parte do mercado de investimentos, existe uma alta recomendação para conhecer seu perfil de investidor.

Por meio do conhecimento sobre o seu perfil, é possível conquistar uma carteira de investimentos que possui duas características importantes para as aplicações: segurança e rentabilidade.

A segurança, no entanto, diz respeito a não perder dinheiro, e é algo buscado em todos os tipos de investimentos, sendo uma prioridade. Já a rentabilidade diz respeito a probabilidade que a aplicação possui de retorno.

Porém, é necessário lembrar que não existe somente um tipo de investimento para todos os perfis, e sim aquele que se enquadra melhor de acordo com o quanto de risco a pessoa está disposta a correr.

Este é, junto do conhecimento do perfil de investidor, um ponto crucial para criar um bom planejamento financeiro.

Podemos concluir que é por meio desse fator, o perfil de investidor, que se torna possível entender qual é o melhor caminho que um investidor deve tomar.

Quais as melhores aplicações para um investidor conservador?

Por fim, separamos abaixo uma lista com os melhores investimentos para perfil conservador, tendo como base as principais características que essa pessoa possui. Veja conosco:

  1. Tesouro Direto;
  2. CDB, o Certificado de Depósito Bancário;
  3. LC, ou Letra de Câmbio;
  4. LCI/LCA, siglas para Letra de Câmbio Imobiliário e Letra de Câmbio do Agronegócio; e
  5. fundos de renda fixa.

Além disso, o investidor com perfil conservador também pode contar com debêntures em sua carteira de investimento.

Aqui, ele pode atuar com ações pagadoras de dividendos ou então com os seguinte fundos:

  • multimercado;
  • de ações;
  • de investimento no exterior;
  • imobiliários, chamados de FIIs; ou
  • cambiais.

Porém, é aconselhado que esses investimentos sejam somente uma pequena parcela da carteira do conservador.

Assim, para responder a pergunta de qual o melhor investimento para perfil conservador, podemos analisar que Tesouro Direto, um dos tipos de investimentos de renda fixa mais procurados.

De toda maneira, é necessário lembrar da recomendação de diversificar a carteira, não aplicando todo o patrimônio em apenas uma forma de investimento.

E agora, se você possui o perfil de investidor conservador mas não possui total confiança sobre as aplicações que realiza, é aconselhado consultar um administrador de carteira a fim de melhorar os investimentos!

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas