Letra Financeira: o que é esse tipo de investimento e como funciona?

Letra Financeira: o que é esse tipo de investimento e como funciona?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Dentro do mercado de investimentos, podemos encontrar diversas opções de títulos que são emitidos por instituições financeiras, como é o caso da chamada letra financeira.

Por sua vez, a letra financeira é um tipo de investimento que possui uma rentabilidade melhor do que outras aplicações que se encaixam dentro da mesma modalidade.

O que é a Letra Financeira?

Letra Financeira (LF) é o nome de um tipo de investimento o qual os papéis são emitidos por instituições financeiras com uma intenção: captar riquezas a longo prazo.

Em outras palavras, é possível entender esse tipo de investimento como uma forma de empréstimo, uma vez que quem investe em LF está emprestando dinheiro para bancos, por exemplo.

Assim, o montante que a pessoa receberá será por esse empréstimo feito.

Além disso, existem outros pontos específicos sobre esse tipo de investimento que devemos conhecer, como:

  1. ele é um título de renda fixa;
  2. o valor mínimo para investimento é no valor de R$150 mil; e
  3. o prazo de investimento mínimo é de dois anos, chamada de sênior, ou então cinco anos, sendo a chamada letra financeira subordinada.

Vale pontuar, porém, que a diferença para a subordinada, além dos cinco anos mínimos, é um investimento inicial de R$300 mil.

E dentro das subordinadas, existe uma modalidade complementar onde encontramos a letra financeira perpétua, que, diferente das outras duas, possui um prazo mínimo perpétuo.

Como mencionamos anteriormente, esse tipo de investimento possui uma rentabilidade superior a outros tipos de investimentos de renda fixa, sendo essa, também, uma de suas características. Por isso, a LF tem sido cada vez mais buscada por investidores.

Como funciona a Letra Financeira?

Para explicar sobre como funciona essa modalidade de investimento, vamos seguir falando sobre o rendimento da letra financeira.

O rendimento das Letras Financeiras é atrelado ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é pós-fixado.

Porém, também existe a possibilidade de que ele seja feito de forma prefixada, o que quer dizer que quem realiza a aplicação já sabe qual será o retorno do investimento.

Imposto de Renda

Mas a letra financeira é isenta de IR?

Essa forma de investimento tem uma tributação de 15% do Imposto de Renda, que é, inclusive, a menor taxa entre as aplicações de renda fixa.

A tributação ocorre da seguinte forma:

  • 22,5% para investimentos de até 180 dias;
  • 20% para aplicações de 181 até 360 dias;
  • 17,5% sobre investimentos com prazo entre 361 e 720 dias; e
  • 15% em aplicações com mais do que 720 dias.

Tendo em vista que o prazo mínimo para esse tipo de investimento é dois anos, normalmente a porcentagem cobrada é a mínima.

Vantagens e desvantagens

Agora elencaremos todas as vantagens e desvantagens que essa forma de aplicação possui.

Como lado positivo, temos:

  1. rentabilidade ligada ao CDI, e maior entre os títulos de renda fixa;
  2. menor incidência de IR;
  3. facilidade para aplicar em bancos e corretoras;
  4. possibilidade de rentabilidade pós-fixada ou prefixada dependendo da instituição; e
  5. sem incidência de outros impostos e tarifas.

Porém, apesar dos pontos bons, existem também algumas desvantagens apresentadas pela LF subordinada e pelas seniores, que são:

  1. investimento mínimo de R$150, fator que limita o acesso a grandes investidores;
  2. não possui proteção do Fundo Garantidor de Crédito, ou seja, se a instituição falir você fica desprotegido; e
  3. possui pelo menos dois anos de vencimento para a aplicação, não existindo a possibilidade de resgatar a aplicação antes desse período.

Assim, para entrar nessa modalidade é necessário possuir, a primeiro momento, um capital elevado.

Por fim, lembre-se de que a letra financeira possui rentabilidade a longo prazo, sendo uma boa opção para o investidor qualificado que quer diversificar aplicações em sua carteira.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas