Lote Padrão de Ações: entenda mais como funciona

lote-padrao
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Saber que existem duas formas de comprar ações dentro da Bolsa de Valores é fundamental, uma vez que grande parte dos investidores iniciantes não sabem que existem o lote padrão e o lote fracionário.

Para entender melhor como investir no mercado de capitais, saber identificar as características do lote padrão e as suas diferenças para o lote fracionário é um grande passo.

O que é o loto padrão?

Dentro do mercado, as ações podem ser negociadas de diversas formas. Uma dessas formas é via lote padrão, que se caracteriza por, tipicamente, envolver a compra ou venda de 100 ações.

Assim, ao negociar um lote de ações, o investidor está comprando ou vendendo 100 ações e, no caso de negociar 20 lotes, por exemplo, está negociando 2000 ações.

Como o lote padrão é caracterizado pelas 100 ações, ele define a quantidade mínima em que um ativo pode ser negociado dentro da Bolsa de Valores.

Portanto, caso um investidor deseje negociar 90 ações ele não conseguirá via lote padrão, tendo que recorrer ao mercado fracionário, onde é possível negociar de 1 a 99 ações.

Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Como funciona o lote padrão?

Ao negociar as ações via lote padrão, o investidor está entrando na Bolsa de Valores via “atacado”, uma vez que é possível negociar múltiplos de 100 ações.

Dessa maneira, o mercado irá respeitar a quantidade mínima estabelecida pelo mercado para o lote, sendo sempre a quantia de 100 ações.

Assim, para que o investidor opere a partir dessa modalidade de lote, após abrir conta em corretora e responder o perfil de investidor, é só buscar a ação desejada por seu código, como por exemplo a PETR3 ou PETR4.

Quais são as diferenças entre o lote padrão e o mercado fracionário?

Para diferenciar os dois mercados é necessário partir da análise dos seguintes aspectos:

  • Investimento mínimo
  • Ticker da ação
  • Liquidez
  • Taxas

Em relação ao investimento mínimo, enquanto o lote padrão necessita de maiores quantias, o lote fracionário, por negociar no mínimo uma ação se torna mais acessível.

Para diferenciar os dois mercados via ticker, é só perceber que enquanto o lote padrão se caracteriza por ser as quatro letras acompanhadas de um número, o mercado fracionário apresenta um “F” após o número, da seguinte forma:

  1. BBDC4 (lote padrão) e BBDC4F (mercado fracionário)
  2. PETR4 (lote padrão) e PETR4F (mercado fracionário)
  3. VALE3 (lote padrão) e VALE3F (mercado fracionário)

No que versa a liquidez, é natural que o mercado fracionário apresente menor movimentação do que o mercado que segue o lote padrão, uma vez que a maior parte das negociações são realizadas via múltiplos de 100.

Já em relação as taxas, corretoras que apresentam taxa de corretagem causam impacto alto na negociação do mercado fracionário, que necessita de maiores negociações para chegar a valores expressivos.

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Baixe o ebook gratuito e saiba como fazer sua transição de carreira para o Mercado Financeiro!

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Vantagens e desvantagens do lote padrão

Além de facilitar a negociação, por conta de sua padronização, e torná-las ágeis, o mercado apresenta grande liquidez.

Por outro lado, também por conta de sua característica, o lote padrão pode se tornar demasiadamente elevado no que diz respeito ao dispêndio monetário para a compra das ações.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas