Mesada educativa: por que utilizar e como definir o valor?

Mesada educativa: por que realizar e como definir o valor?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Aprender sobre educação financeira desde cedo é fundamental para a saúde financeira da sociedade como um todo. Por isso, um recurso bastante utilizado pelos pais que desejam educar financeiramente seus filhos é a mesada educativa.

Você já ouviu falar na mesada educativa? Descubra tudo sobre o tema a seguir.

O que é mesada educativa?

Mesada educativa é uma ferramenta usada pelos pais para educar seus filhos financeiramente. Trata-se de um valor passado para os filhos junto à alguns ensinamentos, a fim de que eles aprendam a utilizar corretamente o dinheiro que possuem.

Diferente da mesada normal, essa possui uma finalidade que visa gerar um conhecimento melhor sobre o uso do dinheiro.

Assim, mais do que permitir o filho a comprar um lanche na escola, a criança começa a aprender desde cedo que precisa conquistar os bens que deseja.

Sendo assim, os pais devem ensinar e guiar os filhos a gastar corretamente e poupar também o dinheiro caso queiram comprar algo.

É importante também que seja uma mesada justa, ou seja, que ela receba um valor em que possa aprender a realizar um planejamento financeiro.

Com isso, os pais auxiliam seus filhos a começarem a equilibrar os gastos e entenderem que devem poupar mensalmente quando quiserem comprar algo mais caro.

Como aplicar a mesada educativa?

Obviamente, não existe um regulamento da mesada para filhos.

Ou seja, existe uma série de pontos que podem ser levados em consideração no momento de decidir qual valor será repassado para a criança.

Sendo assim, tudo pode ser alterado de acordo com a situação de cada família e a intenção que cada pai possui.

Os fatores que devem ser pensados e analisados são:

  1. a finalidade que a mesada possuirá;
  2. qual a idade da criança e sua maturidade para lidar com o dinheiro;
  3. a frequência que a criança receberá a mesada.

Outra alternativa interessante é considerar um lista de tarefas para mesada que podem considerar notas na escola, ajuda com as tarefas de casa e outras atividades.

A lista funciona como uma espécie de guia que auxilia a criança a entender que precisa realizar algo para conseguir dinheiro.

Essa é uma forma positiva de incentivar a criança a conseguir notas boas e auxiliar em casa, além de ensiná-la a valorizar o dinheiro ganho pelas atividades realizadas. Afinal, quando o dinheiro é “suado”, pensamos melhor como gastá-lo, certo?

É possível também aumentar ou diminuir a mesada do filho conforme o cumprimento das atividades. Para o segundo caso, pode-se usar uma tabela para desconto de mesada.

Ou seja, para cada atividade não cumprida, existirá um desconto da mesada, conforme a tabela.

Como definir o valor da mesada educativa?

Como mencionamos anteriormente, não existe uma fórmula que deve ser seguida para todos os casos.

Entretanto, alguns educadores recomendam um quantia por semana e multiplicam pela idade da criança.

Vamos supor, então, que uma família opte por R$2 por semana, que quando multiplicado pela idade de uma criança de 10 anos gera o resultado de R$20 por semana.

Agora, ao multiplicar esse valor por quatro, que é o número de semanas de um mês, chegamos a R$80 mensais.

A mesada por idade é uma boa maneira de decidir qual valor dar para o filho, e que, conforme os anos passam, começa a gerar uma maior quantia mensal, assim como uma maior responsabilidade por parte da criança.

Contudo, não se esqueça de o ensinar a poupar dinheiro mensalmente e a pensar no futuro, e não somente no curto prazo.

Essas são boas maneiras de começar a introduzir, mesmo que inconscientemente, a educação financeira nas crianças.

Quando começar a dar essa renda para os filhos?

É importante ter em mente que, assim como não é concreto o valor da mesada educativa, não existe uma idade mínima para começar com essa ação.

Vale lembrar que, quanto menor a criança for, mais difícil será ensiná-la sobre as finanças. Por isso, é aconselhado começar entre quatro e seis anos de vida, momento no qual a criança começa a entender que o dinheiro é importante.

Mas para os que acreditarem ainda ser cedo, esse momento pode ser usado para começar com uma educação financeira usando de fábulas como a da cigarra e da formiga, por exemplo.

Qual a importância da mesada educativa?

Com a mesada educativa é possível fomentar e desenvolver as noções financeiras na criança.

Assim, ela começa a administrar na prática o dinheiro que possui desde pequena, evitando maiores complicações na vida adulta.

Além disso, ela gera uma série de benefícios para a criança, como:

  • reconhecer e aprender o valor do dinheiro;
  • aprender sobre controle de gastos e sobre economia;
  • controlar a impulsividade, impedindo que a criança seja um adulto consumista;
  • incentivar a autonomia e responsabilidade, tornando-o mais preparado para a vida adulta;
  • aprender a lidar com a frustração, quando acaba o dinheiro antes do mês;
  • auxiliar a estabelecer metas e prioridades na vida da criança; e
  • oferecer maior consciência para a criança sobre a condição financeira da família.

Ou seja, trata-se de uma prática essencial na educação financeira para crianças.

Assim, quanto antes a mesada educativa começar na vida de uma criança, maiores são as chances de que a criança alcance a independência financeira.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas