Microcrédito: a alternativa para os pequenos empreendedores

microcredito
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Para aqueles microempreendedores, sejam eles formais ou informais, que não possuem acesso ao mercado financeiro tradicional, o microcrédito é uma excelente saída para financiar a evolução do seu negócio.

Nesse sentido, o microcrédito tem como característica básica ser voltado aos pequenos empreendedores, possibilitando acesso a empréstimos com taxas de juros menores do que as ofertas no mercado.

O que é microcrédito?

O microcrédito é uma forma de empréstimo voltado para os pequenos empreendedores, os quais anseiam por melhorias em seu negócio e, até mesmo, a expansão das suas atividades, área de atuação, entre outros.

Importante lembrar, que essa modalidade de crédito é uma proposta do Governo Federal como forma de dar maiores incentivos a esse grupo de empresários, que muitas vezes não tem acesso a crédito barato, como ocorre com grandes empresas.

Nesse sentido, o microcrédito tem como foco atender as empresas com um faturamento anual bruto de até R$ 360 mil e, pessoas físicas que buscam abrir uma empresa, como é o caso de:

  • Faxineiros;
  • Cabelereiros;
  • Artesãos;
  • Revendedores;
  • Entre outros.

Quanto é a taxa de juros?

Como a busca por crédito pode ser muito complexa, para esses empreendedores que faturam próximo a R$ 360 mil, o governo regulou via lei que a taxa de juros não poderia ultrapassar os 4% ao mês.

Uma vez que grande parte dos empréstimos pessoais giram em torno de 6% ao mês, as pessoas de baixa renda optam por essa modalidade, uma vez que ela é mais vantajosa.

Assim, é comum ver no mercado taxas de microcrédito que cobram 3% de taxa de juros ao mês, possibilitando que os pequenos empreendedores alcancem o sonho de abrir e/ou aumentar o seu negócio.


Interessado em ingressar no mercado financeiro? Vem conhecer nossos cursos preparatórios!

Como contratar o microcrédito?

Por ser um programa do Governo Federal, tomar esse tipo de crédito tende a ser um pouco mais criterioso, por isso, antes de buscar essa linha de empréstimo nos bancos, é necessário separar os seguintes documentos:

  1. Ser maior de idade;
  2. Apresentar os documentos que comprovem a abertura e a situação em que a empresa se encontra (Pessoa Jurídica, inclusive MEI);
  3. Os motivos que levaram a optar por essa linha de crédito;
  4. Análise financeira e de viabilidade para o empréstimo.

Sendo aprovado o empréstimo, o limite a ser emprestado irá variar de acordo com cada banco, os quais devem ser consultados pelos microempreendedores.

Um exemplo de empréstimo seria o feito pela Caixa Econômica Federal, o qual gira em torno de R$ 300,00 a R$ 15 mil, os quais, geralmente, são parcelados em até 12 vezes.

Assim, ao obter o valor desejado, independente de qual banco você utilizou para acessar o microcrédito, é primordial se atentar que esses valores têm destino específico, ou seja, devem ser utilizados para o crescimento dos pequenos empreendedores.

Por esse motivo, além de se programar para entender se consegue fazer frente ao empréstimo, mesmo que ele possua taxas mais baixas e, se o que quer fazer entra no rol de requisitos, é essencial.

Quais são as condições para obter microcrédito?

As determinações para que ocorra a liberação dos recursos do microcrédito são determinadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Nesse sentido, a primeira condição está relacionada a receita de quem irá contratar o empréstimo, a qual não poderá passar de R$ 360 mil. 

Soma-se a isso, o fato de que é necessário que o contratante se enquadre em pessoa física ou jurídica que deseja abrir um negócio que realize atividades produtivas de pequeno porte.

Outra condição para que o crédito seja liberado está relacionada à utilização do dinheiro, que de forma geral deverá ser destinado a utilização para projetos específicos.

Dessa forma, o crédito é destinado a capital de giro e para investimentos na empresa, os quais incluem a obtenção de novo maquinário, equipamentos e, até mesmo, matérias primas.

Ebook Trilha de estudos Ancord

EBOOK GRATUITO | Trilha de estudos Ancord

Baixe o ebook gratuito para saber o que e como estudar para a prova de certificação Ancord

Ebook Trilha de estudos Ancord

EBOOK GRATUITO | Trilha de estudos Ancord

Quais os valores disponíveis?

Para entender melhor quais são os valores disponíveis, é essencial entender que ele irá, assim como o prazo, variar de acordo com a instituição financeira que está liberando o empréstimo.

Dessa forma, o microcrédito pode ser acessado através do Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e Itau.

No caso do Bradesco, o prazo médio de pagamento gira em torno de 4 a 12 meses e existe um valor mínimo de R$ 500,00 a ser emprestado. 

No que versa o limite, para a primeira solicitação existe uma trava de até R$ 3 mil, podendo chegar, no decorrer das solicitações, a R$ 15 mil.

Já no caso da Caixa Econômica Federal, o prazo máximo de pagamento é maior, chegando a 24 meses. O valor mínimo de empréstimo é de R$ 300,00 e, o valor máximo, R$ 15 mil.

Da mesma forma como ocorre na Caixa, o Santander também possui um prazo máximo dilatado, chegando a 24 meses, entretanto apresenta um valor mínimo maior, de R$ 500,00 e um a valor máximo de R$ 15 mil.

Por fim, o Itau apresenta um prazo médio para pagamento de 12 meses. No que versam os valores, o mínimo é de R$ 400,00 e o máximo, R$ 14.200,00, apresentando uma taxa de 4% ao mês, a qual tende a reduzir a cada vez que os valores são renovados.

Como escolher o melhor tipo de empréstimo?

Apesar de ser acessível a uma parcela da população que muitas vezes não tem acesso a melhores condições, existem outras modalidades de crédito disponíveis no mercado.

Dentre essas modalidades, tem-se o empréstimo consignado privado e público, empréstimo com garantia, empréstimo pessoal, cheque especial, entre outros.

Por esse motivo, torna-se essencial entender qual o melhor tipo de empréstimo que se enquadra para cada situação.

O primeiro passo para saber se vale a pena ou se está de acordo com as necessidades e as condições de pagamento, é necessário comparar as taxas entre os empréstimos.

Após avaliar o custo nominal do empréstimo, é primordial que o contratante se atente a CET (Custo Efetivo Total), que nada mais é do que o total de todos os encargos, taxas, juros e despesas.

Nessa linha, é primordial se atentar a ofertas discrepantes no mercado e, além disso, pesquisa muito sobre a instituição financeira que está ofertando o crédito.

Assim, ao se preocupar com todos esses detalhes e, encaixando-se nas regras para obtenção do microcrédito, ele será uma excelente ferramenta para alavancar os negócios dos microempreendedores.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas