Montante: saiba mais sobre este método financeiro

Montante: saiba mais sobre este método financeiro
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Compreender alguns conceitos e fórmulas é relevante para quem busca ter uma educação financeira eficiente em sua rotina, e, até mesmo administrar um negócio. Dentre essas práticas, é possível colocar o montante, e como este método tem seu peso em diferentes negociações.

Afinal, considerar o montante é uma prática relevante para quem busca compreender melhor os valores que envolvem uma operação financeira, sendo que este método é utilizado inclusive por profissionais, como um diretor financeiro, por exemplo.

O que é montante

O montante é um indicativo referente ao valor futuro de uma operação financeira, sendo que nesta conta são considerados o valor inicial e os juros referentes ao período considerado.

Dessa forma, esta se torna uma das ferramentas matemáticas mais relevantes quando o assunto é ligado ao universo das finanças, especialmente no sentido de investimentos.

Por exemplo, é comum que investidores busquem ter uma projeção de qual será a evolução e quanto vão receber com aquele negócio.

Assim, a utilização do montante se torna algo útil, afinal, através deste método será possível ter um horizonte mais claro acerca do investimento realizado.

O que não é à toa, sendo que ao se utilizar este tipo de fórmula, é possível avaliar a soma do capital inicial com os ganhos obtidos por aquele negócio ao longo do tempo.

Ainda vale ressaltar que em produtos de renda fixa, este método é mais eficiente, pois é um tipo de investimento menos exposto às oscilações do mercado.

Portanto, entender como se calcula o montante é relevante para quem busca ter mais clareza em suas operações financeiras.

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Baixe o ebook gratuito e confira 30 dicas que te ajudarão a se planejar da melhor forma para os exames de certificação. 

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Como calcular o montante

Inicialmente, vale ressaltar que a fórmula utilizada para encontrar o montante é:

  • M = C + J

Sendo que:

  1. M = Montante;
  2. C = Capital inicial;
  3. J = Juros.

Ou seja, não é uma fórmula complexa.

Todavia, é necessário reforçar que há necessidade de se ter cuidados na utilização dos juros, isso porque este valor pode ser encontrado de duas formas.

Assim, é possível realizar o cálculo do montante das seguintes formas:

  • Juros simples;
  • Juros compostos.

Assim, entender separadamente o funcionamento de cada uma é útil para quem deseja utilizar este método em algum tipo de operação financeira.

Juros simples

No caso da fórmula dos juros simples, o convencional é que os juros sejam encontrados através da multiplicação do capital inicial (C), pelas taxas de juros percentuais (i) e o tempo (T).

Portanto, para encontrar o valor correspondente ao “J” da equação é necessário realizar o seguinte cálculo:

  • J = C x i x T

Com o resultado da fórmula dos juros simples é possível se chegar ao “J” que será utilizado na fórmula do montante.

Juros compostos

Enquanto nos juros compostos, o tipo de juros mais recorrente em operações financeiras, é necessário se utilizar outro método para se chegar ao “j”.

Inicialmente, vale destacar que os juros compostos são reincidentes, isto é, seu retorno é sobre o valor inicial mais os juros acumulados ao longo do tempo.

Portanto, para se chegar ao valor dos juros compostos, é necessário utilizar a seguinte fórmula:

  • M = C (1+t) t

Sendo que:

  • M = Montante acumulado;
  • C = Capital investido;
  • i = Taxa de juros;
  • t = Período de tempo.

Portanto, através da utilização fórmula dos juros compostos e  juros simples é possível se chegar ao valor referente ao montante de uma operação financeira.

Ou seja, o capital investido inicialmente mais a soma dos juros sobre o capital inicial.

Para ficar mais claro, vamos realizar uma simulação da utilização desta fórmula.

Simulação

Imagine a seguinte situação. Você possui uma pendência de R$5 mil, enquanto a taxa de juros semanal é de 10%. Ao aplicar a fórmula dos juros compostos, em um mês, você teria a seguinte situação:

  • M = 5000 (1+0,10)x4
  • M = 5000 (1,46) = 7300

Portanto, você pagaria R$2300 em juros ao final de um mês.

Como visto, os juros compostos crescem de forma acelerada e em um curto espaço de tempo.

No exemplo utilizado, foi possível perceber como ele pode causar problemas graves na saúde financeira de uma pessoa.

Todavia, quando utilizado ao seu favor, principalmente no momento de se avaliar um investimento, os juros compostos podem render bons lucros ao investidor.

Dessa forma, se torna uma ferramenta útil para investidores que buscam obter bons retornos no mercado e, ocasionalmente, sua independência financeira.

Tenha acesso ao melhor conteúdo relacionado aos cursos do mercado financeiro! Acesse o Certifiquei e descubra os cursos preparatórios voltados para quem deseja as certificações da área. Confira!

Montante utilizado em investimentos do mercado financeiro

Montante: saiba mais sobre este método financeiro

A utilização da fórmula do montante pode possibilitar ao investidor bons ganhos no mercado de capitais, ainda mais quando associada a juros compostos.

Assim, é relevante ficar atento a tipos de investimentos que utilizam os juros compostos, dos quais é possível listar, por exemplo:

  • Tesouro direto;
  • CDB;
  • Ações.

Tesouro direto

Tesouro direto é um tipo de investimento em renda fixa, buscado principalmente por investidores que desejam se expor pouco aos riscos do mercado.

Este tipo de investimento surgiu como uma forma do Estado aumentar suas possibilidades no momento de financiar suas atividades.

Assim, o governo lança seus títulos de dívida no mercado. Investidores interessados podem adquirir este tipo de produto, sendo que seus ganhos se darão ao longo do tempo, através dos juros.

Vale destacar que o rendimento ainda é atrelado a importantes indicadores da economia brasileira, como IPCA e Selic.

CDB

Seguindo uma lógica semelhante ao tesouro direto, também sendo de renda fixa, os CDBs, ou Certificado de Depósito Bancário, são títulos emitidos por bancos ao mercado, sendo que através do valor captado, os mesmos conseguem realizar suas atividades.

Vale destacar que os juros pagos aos investidores que possuem CDBs variam de acordo com a instituição financeira.

Ainda assim, o comum é que seja atrelado ao Certificado de Depósito Interbancário, ou CDI.

Portanto, cabe ao investidor encontrar qual opção pode gerar a maior rentabilidade ao longo do tempo, para isso utilizar o método montante priorizando juros compostos pode ser útil.

Ações

Por fim, mas não menos relevante, estão as ações, um tipo de título de renda variável. Portanto, este é um tipo de produto que oscila mais que os dois citados anteriormente.

Assim, o funcionamento dos juros compostos nas ações ocorrem de forma indireta.

Todavia, ainda que seja um tipo de investimento imprevisível, este é um tipo de negócio interessante para quem busca ganhos mais elevados.

Dessa forma, a utilização de métodos como o montante é relevante no momento de se analisar uma boa ação, afinal uma avaliação criteriosa pode fazer diferença no momento de se investir em renda variável.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas