Penny stocks são vantajosas para um portfólio de investimentos?

Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Não é difícil encontrar, dentro das maiores Bolsas de Valores pelo mundo, ações que apresentam preços de negociação baixos. Essas ações são conhecidas no mercado como penny stocks.

Apesar de serem atraentes, por conta do baixo preço, o que dá a impressão de que estão baratas, as penny stocks nem sempre apresentam bons fundamentos para viabilizar um investimento.

O que são penny stocks?

Pode-se definir as penny stocks como as ações ou certificados de depósitos de ações, as famosas units, que apresentam preços muito baixos, podendo chegar até mesmo a valer alguns centavos.

Essas ações geralmente são de empresas que apresentam valor de mercado muito baixo, isto é, estão muito longe de serem consideradas blue chips e, até mesmo microcaps.

No caso do Brasil, as denominadas penny stoks brasileiras podem ser definidas como aquelas ações que apresentam preços menores do que R$ 1,00.

Normalmente, as ações que englobam esse conceito são referentes a empresas que já faliram ou estão em processo de falência.

Como funcionam as penny stocks?

Da mesma forma que todas as ações negociadas na Bolsa de Valores, essas ações se diferem por serem negociadas a preços irrisórios e por apresentarem maiores riscos.

Dentre os riscos inerentes a comprar de ações penny stocks, tem-se:

  • Pouca liquidez
  • Risco de falência
  • Alta volatilidade

A alta volatilidade está intimamente ligada aos preços baixos, uma vez que, a título de exemplo, uma ação de R$ 1,00 que apresenta valorização de R$ 0,10, terá, percentualmente, uma valorização de 10%.

Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Quais são as características das penny stocks?

Para que uma ação entre no rol das penny stocks, é necessário que ela apresente algumas características, dentre elas:

  1. Cotação Baixa
  2. Baixa Liquidez
  3. Baixo Volume
  4. Maior risco
  5. Alta volatilidade

No que se refere a cotação baixa, o termo “Penny” já significa quantidade insignificante, o que permite inferir que a valorização para essas ações é pouco provável.

A baixa liquidez e o baixo volume são um dos riscos de se investir nesse tipo de ações, uma vez que dificulta a compra e venda. 

Já a alta volatilidade ocorre, pois, as empresas que estão em processo de falência sofrem muito com as notícias do mercado.

5 passos para se inscrever na prova da ancord

EBOOK GRATUITO | 5 passos para se inscrever na prova da ANCORD

Baixe o ebook gratuito para conferir como realizar a prova de certificação ANCORD para tornar-se um Agente Autônomo de Investimentos.

5 passos para se inscrever na prova da ancord

EBOOK GRATUITO | 5 passos para se inscrever na prova da ANCORD

Como as penny stocks são negociadas na B3?

Para que fosse possível enquadrar uma ação como penny stock, no ano de 2015 a B3 criou uma regra para as ações que são negociadas a menos de R$ 1,00 dentro de um intervalo de pregões.

Assim, no caso de uma ação ser negociada a preços menores do que R$ 1,00 em 30 pregões a empresa é notificada e, após essa notificação, a empresa terá 15 dias para mudar a situação.

Passando esse período, no caso de a empresa não alcançar com o plano estabelecido o preço de R$ 1,00, as negociações são suspensas pela B3.

Quais as vantagens e desvantagens das penny stocks?

Da mesma forma que é um risco, os preços menores dessas ações são um grande atrativo, uma vez que se tornam mais acessíveis a grande parte dos investidores.

Entretanto, as penny stocks apresentam um alto risco quando comparadas a ações de outras empresas, uma vez que tem baixa liquidez, alta volatilidade e a chance de a empresa falir.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas