Setor bancário: quais suas instituições e como ingressar na área?

Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A composição do setor bancário no Brasil é uma questão de especial relevância, principalmente para os profissionais que desejam atuar neste segmento.

Mas qual é a estrutura do sistema bancário? Com a finalidade de esclarecer possíveis dúvidas, vamos abordar neste conteúdo o funcionamento do setor bancário e sua estrutura, assim como quais são as qualificações necessárias para atuação neste ramo.

O que é setor bancário?

A estrutura do setor bancário é composta por instituições que, de maneira simplificada, executam operações monetárias, como depósito em conta corrente.

Além disso, essas instituições são autorizadas a criar moeda escritural, que é convertida em aplicações, podendo gerar novos depósitos.

Como resultado, temos empréstimos e financiamentos realizados no curto e médio prazo como exemplos de aplicações.

Tipos de instituições do setor bancário

Uma das características do setor bancário é a sua composição, que conta com diversos tipos de instituições, com suas peculiaridades e importância. Como resultado, essas entidades se dividem da seguinte forma:

  • Comercial;
  • Cooperativo;
  • Investimentos;
  • Desenvolvimento;
  • Digital;
  • Central;
  • Mundial.

Comercial

Banco comercial é a instituição prestadora de serviços financeiros relacionados à captação de depósitos a vista ou a prazo, assim envolvendo cobranças de tarifas para liberação de crédito, financiamentos e opções para investimentos.

Cooperativo

O banco cooperativo se caracteriza pela presença obrigatória de carteira comercial, por consequência, seu controle sob a responsabilidade de cooperativas centrais de crédito, com mínimo de 51% das ações ordinárias.

Investimentos

O banco de investimentos tem como especialidade a oferta de soluções em investimentos. Eles realizam operações de aquisições e fusões, fornecimento de crédito a médio e longo prazo para pessoas jurídicas e gestão de patrimônio.

Este tipo de instituição também atua com administração de fundos de investimentos e abertura de capital na bolsa de valores.

Desenvolvimento

Os bancos de desenvolvimento são responsáveis pelo financiamento de projetos que buscam a promoção do desenvolvimento econômico de determinada região geográfica ou setor econômico.

Por consequência, os beneficiados pelas operações costumam ser instituições financeiras públicas, que destinam crédito para investimento em obras do Estado.

Digital

Banco digital, ou virtual, é uma instituição com objetivos semelhantes aos dos bancos comerciais, mas com a diferença de não oferecer atendimento presencial.

O banco digital oferece abertura de conta corrente, cartão de crédito, geralmente, sem cobrança de anuidade, opções de investimentos, seguros, consórcios e crédito pessoal, mas somente através da utilização de aplicativos.

Central

Banco Central é a entidade financeira independente, ou com ligação com o Estado, responsável por conduzir a política econômica, garantindo a estabilidade e poder de compra da moeda local e seu sistema financeiro.

São também responsabilidades do Banco Central a definição de políticas monetárias e as reguladoras do sistema financeiro local.

Mundial

O Banco Mundial é uma instituição financeira de ordem internacional sem fins lucrativos, responsável por conceder crédito a países em desenvolvimento.

Esta instituição é a mais conhecida em âmbito mundial no segmento de desenvolvimento e integra, de maneira independente, o Sistema da Organização das Nações Unidas.

Quer se tornar um profissional gabaritado para o Mercado Financeiro? Confira nosso curso CNPI e garanta uma excelente certificação!

Quais certificações são necessárias para ingresso no setor bancário?

O trabalho dentro da estrutura das organizações bancárias está condicionado à qualificação de seus profissionais, que ocorre através da obtenção de determinadas certificações, atreladas às quatro principais entidades certificadoras no Brasil:

  1. Anbima: Associação Brasileira dos Mercados Financeiro e de Capitais;
  2. Abecip: Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança;
  3. Aneps: Associação Nacional das empresas Promotoras de Crédito e Correspondentes no País;
  4. Febraban: Federação Brasileira de Bancos.

A Anbima é a instituição, dentre todas que estão aptas, com as certificações mais significativas, porém recomenda-se a obtenção das certificações de todas as associações, já que cada uma está atrelada a determinado segmento ou serviço do mercado bancário.

Certificações da Anbima

A Anbima conta com 4 certificações: CPA 10, CPA 20, CEA e CGA.

A CPA 10 habilita o profissional para realizar a distribuição de produtos de investimento no mercado de varejo, por exemplo, fundos de investimentos, CDB, COE e previdência privada.

A certificação CPA 20 acrescenta a habilitação para distribuição de produtos de investimentos no setor de alta renda, sendo a preferida de quem escolhe as certificações da Anbima.

A terceira certificação, CEA, é focada na capacitação do profissional para apoio aos profissionais certificados na CPA 10 e CPA 20. Este profissional será responsável por supervisionar os vendedores de produtos no mercado de investimentos.

Cabe salientar que, apesar destas certificações possuírem diversos níveis, com acúmulo de qualificações, aqueles que desejarem obter a CEA precisarão já ter experiência no segmento, já que esta é uma certificação de nível especialista.

A CGA, última certificação da Anbima, é a qualificação necessária para o profissional atuar como gestor de um fundo de investimentos. Uma curiosidade é que esta certificação não é tão popular porque pouco profissionais desejam se tornar gestores neste segmento.

Certificações da Abecip

As certificações Abecip, CA 300, CA 400 e CA 600, são voltadas ao segmento de financiamentos imobiliários. Para profissionais que pretendem trabalhar em banco, é obrigatório possuir ao menos uma das três certificações.

Muitos profissionais optam por tirar, em um primeiro instante, a CA 600, principalmente por conta da competitividade existente no setor bancário.

A CA 300 também é uma opção para os bancários que atuam externamente, como correspondentes.

Certificação da Aneps

A Aneps fornece certificação específica para os profissionais que atuam como correspondentes bancários.

Esta certificação é adequada também aos profissionais contratados por empresas prestadoras de serviços no segmento bancário, ampliando sua possibilidade de internalização.

Certificações da Febraban

As certificações Febraban são voltadas para os profissionais que pretendem ou já trabalham como correspondentes de crédito.

Contudo, estas certificações não são globais, incorporando todas as áreas e produtos do segmento de crédito. Trata-se de uma qualificação bem mais específica.

O Crédito Direto ao Consumidor (CDC) é o foco de atuação da Febraban, mais especificamente no setor de consignados e veículos.

Uma evidência desta atuação é o fato de diversos garagistas buscarem esta certificação para garantirem que seus clientes tenham o financiamento pronto ao final da negociação, sem a necessidade de cobrança de taxas bancárias.

Considerações finais

O setor bancário é um segmento extremamente competitivo e isso se reflete na cobrança exigida em torno das qualificações necessárias para o exercício da profissão.

E o grande desafio de todo profissional que deseja se estabelecer e fazer parte do futuro do setor bancário é conhecer minuciosamente sua estrutura e compreender as necessidades específicas de suas atividades, culminando na melhora contínua de sua performance.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas