Certificação CFA: o que é, como funciona e como ser aprovado?

CFA
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Reconhecida como uma das certificações financeiras mais importantes e difíceis do mundo, a CFA é considerada pelo mercado como um sólido comprovante de conhecimento sobre finanças e investimentos.

Com a Certificação CFA, é possível trabalhar no mundo todo como analista, já que ela possui reconhecimento internacional pelo seu alto nível.

  1. O que é a Certificação CFA?
  2. Como funciona a certificação CFA?
  3. Onde o profissional certificado pela CFA pode atuar?
  4. Como funciona o exame da certificação CFA?
  5. Qual o conteúdo do exame de certificação CFA?
  6. CFA ou CGA: qual certificação escolher?
  7. Como se preparar para a prova da certificação CFA?
  8. Vale a pena tirar a certificação CFA?

O que é a Certificação CFA?

O CFA, ou Chartered Financial Analyst, é a certificação financeira internacional de maior reconhecimento para os profissionais que desejam trabalhar no mercado financeiro.

Por conta do seu nível de reconhecimento, o certificado com o título CFA consegue atuar em qualquer lugar do mundo, já que esse certificado é considerado um passaporte global para a carreira na área de finanças.

A certificação CFA é concedida pelo instituto norte-americano CFA Institute, que também é responsável pelas avaliações que os candidatos são submetidos. Com o título de CFA charterholder, é possível trabalhar em empresas de investimento, hedge funds, bancos, companhias de seguros e consultoria financeira.

Como funciona a certificação CFA?

CFA
Para tirar o CFA, é necessário bastante esforço e conhecimento por parte do candidato, já que essa é uma certificação com um exame muito rigoroso.

No Brasil, menos de 15% dos candidatos que realizam as provas do instituto são aprovados, resultando em um pouco mais de 1 mil profissionais certificados em todo o país.

Além disso, existem também alguns requisitos para o exame de Certificação CFA, que são:

  • Passar nos três níveis do exame CFA;
  • Comprovar 48 meses de “experiência profissional aceitável”;
  • Assinar o código de conduta e ética;
  • Se tornar membro do CFA Institute.

Onde o profissional certificado pela CFA pode atuar?

Algumas das possibilidades de trabalho para quem possui esse título, além da consultoria financeira, é trabalhar em:

  • Empresas de investimentos e research;
  • Hedge Funds;
  • Empresas de seguros;
  • Firmas de Private Equity;

Ao todo, existem mais de 160 mil profissionais certificados com a Chartered Financial Analyst. A China, os Estados Unidos, a Índia e o Canadá são os países com mais títulos.

No Brasil, a quantidade de profissionais com essa certificação é um pouco mais de 1 mil. Portanto, existe uma certa vantagem competitiva a quem queira conseguir melhores posições no mercado financeiro local.

Em geral, o salário de quem tem a certificação gira em torno de 15% a 20% a mais do que a média de quem não possui, para o mesmo cargo.

Além disso, quem vira membro do CFA Society, esfera social e voltada ao networking da instituição, tem acesso a um quadro de vagas exclusivo e direito a participar de eventos com outras personalidades importantes do mercado.

Ser um profissional certificado é o primeiro passo para começar sua carreira no mercado financeiro. Confira nossos cursos e se prepare da melhor forma para tirar sua certificação!

Como funciona o exame da certificação CFA?

O conteúdo da Certificação CFA é avaliado em três etapas. O exame é completamente em inglês, acontecendo em junho. No entanto, o etapa do Nível 1 também é aplicada em dezembro. No Brasil, os exames ocorrem nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

O candidato deve passar nos três níveis em sequência — ou seja, não tem o direito de pular nenhum nível ou receber um título parcial de Chartered Financial Analyst.

No entanto, os critérios de avaliação do exame não são publicamente claros. Mesmo que seja determinado pelo CFA Institute que o candidato deve obter uma pontuação mínima para ser aprovado, os candidatos não possuem acesso a essa informação.

Custo da CFA

As provas possuem custos diferentes dependendo do nível e da antecedência com que o candidato se inscreva. A taxa de inscrição do CFA é de US$ 450. Já a taxa de cada exame, paga com 8 meses de antecedência, US$ 650.

Com 4 meses de antecedência, por prova, o candidato paga US$ 950. Já com 3 meses de antecedência, o valor vai para US$ 1380. Existem também o custo para ser detentor do título de Chartered Financial Analyst, pago por ano, que é de US$ 350.

Qual o conteúdo do exame de certificação CFA?

Como dito anteriormente, o exame do CFA é separado em três etapas, sendo:

  • I Level CFA ;
  • II Level CFA;
  • III Level CFA.

Portanto, é importante que o candidato entenda bem quais os conteúdos cobrados em cada um desses testes.

CFA Level I

No CFA Level 1, o instituto exige a comprovação de conhecimento em questões mais básicas relacionadas a investimentos.

Nessa fase de introdução às finanças corporativas, alguns temas abordados são:

  • Análise de Relatórios Financeiros;
  • Ética;
  • Economia;
  • Finanças Corporativas;
  • Investimentos em Ativos e em Renda Fixa.

Neste nível, são feitas duas provas de 120 questões (240 no total), sendo uma na parte da manhã e outra na tarde. Cada uma delas possui 3 horas de duração, com questões fechadas e de múltipla escolha.

O resultado dos exames costuma ser divulgado em até 60 dias após a aplicação da prova. Em média, devem ser dedicados 1,5 minutos para cada pergunta, para que o exame seja completamente respondido.

Quer tirar sua certificação financeira? Confira os cursos da Certifiquei e se prepare para as provas com o suporte dos melhores profissionais do mercado.

CFA Level II

O CFA Level 2 aborda questões mais analíticas e complexas, com um destaque maior para temas como:

  • Análise de investimentos;
  • Relatórios financeiros;
  • Valorização de ativos.

Nesse nível, o instituto costuma cobrar casos de investimento e finanças (mini-cases) junto às questões referentes a eles.

As questões de análise de relatórios financeiros são baseadas no IRFS, o conjunto de normais internacionais que ditam a forma das demonstrações de informações contáveis.

Os 20 conjuntos de itens ou mini-cases são divididos pela metade entre a sessão matutina e a sessão vespertina da Chartered Financial Analyst. Cada um deles possui 6 perguntas de múltipla escolha.

CFA Level III

No último nível da certificação, o CFA Level 3, todo o conteúdo das outras provas estão sujeitos a serem cobrados.

Nesse caso, a diferença está na presença de questões discursivas, que exigem boa redação e domínio do inglês do candidato.

Cada uma dessas questões é dividida em duas ou mais partes, geralmente baseadas em um mesmo caso. Em geral, os assuntos avaliados no Level 3 são o retorno de investimento e análise de riscos.

Na sessão matutina, são cobradas de 8 a 12 questões discursivas. Já na sessão vespertina, são exigidos mais 10 conjuntos de itens com 6 perguntas de múltipla escolha cada um.

Ao todo, o exame aborda os seguintes tópicos:

  • Padrões Éticos e Profissionais;
  • Métodos quantitativos;
  • Economia;
  • Relatórios e Análises Financeiras;
  • Finanças corporativas;
  • Investimentos igualitários;
  • Renda Fixa;
  • Derivados;
  • Investimentos alternativos;
  • Gerenciamento de Carteira e Planejamento de Riqueza.

Os pesos para cada um dos conteúdos em cada nível variam, de acordo com a tabela abaixo, divulgada pelo CFA Institute:

CFA

Assim como em todos os outros níveis, não há penalidade por erro em questões da prova. Por conta disso, é importante que não sejam deixadas questões em branco.

CFA ou CGA: qual certificação escolher?

A Certificação CGA, ou Certificação de Gestores Anbima, é emitida por essa instituição para preparar gestores de fundos de investimentos.

Esse título é obrigatório para os profissionais que desejam administrar os recursos de terceiros, já que atesta conhecimentos tanto financeiros quanto éticos e legais.

Essa é a prova mais difícil de todas as certificações Anbima, dividida em dois módulos. Já o CFA, como dito, é uma das mais reconhecidas certificações do mercado financeiro, a nível internacional.

Não existe exigência da Chartered Financial Analyst para nenhuma profissão. No entanto, seus conteúdos abrangem os exigidos pela CGA.

Por isso, o profissional CFA pode tanto trabalhar como gestor de investimentos quanto como analista de mercado. Entre outros cargos possíveis, estão a atuação em investment banking, com fusões e aquisições, trade e diversas outras profissões do mercado.

Portanto, se você deseja atuar somente com a gestão de ativos, a CGA pode ser suficiente. Já se deseja ter a possibilidade de atuar nas demais áreas do mercado e ser reconhecido de maneira internacional, a CFA é a mais adequada.

Como se preparar para a prova da certificação CFA?

Se você escolheu o Chartered Financial Analyst como certificação para sua carreira, é preciso entender que se tornar especialista em diversas áreas do mercado financeiro é um enorme desafio.

Por conta disso, é preciso se dedicar bastante ao se preparar para o CFA, já que essa é uma certificação de alto nível.

Para ajudar, confira algumas dicas de como se preparar para o CFA:

Conhecimento de todo o conteúdo

O primeiro passo para quem deseja ter um bom resultado em um teste é entrar em contato com todo o conteúdo dos exames. Para isso, você pode buscar por vídeo-aulas, artigos e outros conteúdos sobre o Chartered Financial Analyst na internet.

O importante, antes de tudo, é registrar e revisar o conteúdo das provas do CFA no formato mais confortável e prático para você.

O Certifiquei oferece algumas opções de cursos preparatórios para exames como o da CFA. Confira!

Planejamento

Se você quer trabalhar com finanças sabe que se planejar é essencial para o alcance de objetivos. Por isso, para passar nas provas do CFA, o recomendado é se dedicar no mínimo por duas horas, todos os dias, para estudar os conteúdos do exame.

Vale lembrar que, quanto antes você começar, mais chances tem de tirar todas as dúvidas sobre a prova. Se for fazer tudo sozinho, a sugestão é criar um cronograma de estudos e começar pelos tópicos que já sabe. Assim, você se sentirá mais motivado para aprender conteúdos mais desafiadores.

Faça simulados

É essencial que o candidato entre em contato com o formato da prova algumas vezes antes do exame. Para isso, é recomendado fazer o maior número de simulados possíveis, utilizando modelos de provas anteriores.

Esse tipo de preparação ajuda a reduzir a ansiedade e o medo na hora do teste, já que familiariza o candidato com a CFA.

Não se esqueça de trabalhar

Se você não tem nenhuma experiência no mercado financeiro, o momento é agora. Isso porque o Chartered Financial Analyst exige ao menos quatro anos de experiência profissional na área financeira (antes, durante ou depois dos exames).

Esse tipo de experiência também auxilia nos testes mais analíticos, que replicam casos do dia a dia.

Não desista

Como dito, passar no CFA é algo muito difícil. Por isso, você não deve desistir se não conseguir nas primeiras tentativas. É preciso, antes de tudo, muita persistência e disciplina, para conseguir esse tipo de reconhecimento no mercado. Sem dúvidas, você será bastante recompensado ao conseguir a certificação.

Quer trabalhar no mercado financeiro? A Certifiquei oferece os melhores cursos preparatórios para você tirar a sua certificação. Confira!

Vale a pena tirar a certificação CFA?

O título de Chartered Financial Analyst não é obrigatório no Brasil para nenhuma profissão. No entanto, os profissionais que possuem a certificação conseguem um enorme destaque em todo o mercado, saindo na frente em qualquer seleção.

Obter o CFA pode valer mais do que um MBA na área de finanças. Por isso, se você deseja ganhar mais espaço no mercado, pode ser que o exame valha muito a pena.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas