Dividend Yield: saiba tudo sobre esse importante indicador

DIVIDEND YIELD: saiba tudo sobre esse importante indicador
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

É fundamental ao investidor entender como ganhar dinheiro no mercado e, especialmente, saber interpretar essas possibilidades, para isso o entendimento do dividend yield, ou DY, se faz necessário.

Isso porque o indicador do dividend yield é o um dos mais relevantes, inclusive para os profissionais do mercado financeiro. Afinal, através desta métrica é possível saber quanto o dinheiro investido rendeu em determinados casos.

O que é o dividend yield

Traduzindo para português, o “rendimento de dividendos” é o indicador que mostra quanto um ativo pagou de proventos no período de um ano, ou seja, esse dado passa a dimensão do montante que uma ação rendeu aos seus acionistas em questão de dividendos e juros sobre capital próprio pagos.

Assim, o DY se torna um dos principais indicadores para quem investe no mercado, com destaque especialmente para aqueles investidores que não buscam lucrar apenas com o processo de compra e vendas de uma ação.

Não à toa, o dividend yield é uma das ferramentas mais utilizadas por investidores que formam uma carteira baseada no pagamento de proventos.

Mesmo essa métrica tendo tanta relevância no mercado financeiro, muitos investidores ainda têm dúvidas sobre seu funcionamento e utilidade.

Portanto, é essencial se aprofundar no conceito por trás desse índice, além de compreender o porquê desse medidor ser utilizado.

Utilidade do dividend yield

Como apontado anteriormente, o DY é uma importante métrica para aqueles investidores que buscam ter seus rendimentos atrelados aos proventos.

Assim, se faz necessário explicar que o dividend yield pode ser separado em duas categorias.

  • DY ordinários;
  • DY extraordinários.

O DY ordinário são os proventos repartidos entre os acionistas de um negócio, sendo que esse valor é referente ao lucro obtido por um negócio no período de um ano fiscal.

Enquanto, o DY extraordinário são pagamentos que os acionistas de um negócio recebem devido as rendas extraordinárias, ou seja, ganhos que a empresa não esperava obter em seu balanço inicial.

Portanto, é essencial explicar que “apenas” a análise do dividend yield não é o bastante para se chegar ao lucro esperado e evitar riscos.

Isso porque esse índice pode estar inflado por diversos fatores, assim representando um valor superior ao pago normalmente por aquela empresa.

Ainda assim, o DY segue sendo um dos indicadores mais importantes do mercado financeiro, especialmente para investidores que utilizam a análise fundamentalista em seus negócios.

Dessa forma é natural que o entendimento de como funciona seu cálculo seja importante.

Calculando o dividend yield

Talvez o modo de calcular o DY seja uma das principais vantagens dessa métrica.

Isso porque seu cálculo nada mais é do que a divisão entre os valores de proventos pagos por uma ação em seu ano fiscal e o preço do ativo na cotação do momento da análise.

Assim é possível chegar ao DY, sendo este representado em porcentagem.

Para ficar mais claro, é válido um exemplo de como esse cálculo pode ser aplicado em determinada situação.

Simulação de DY

Suponhamos que uma ação de uma empresa esteja custando o valor de R$30. Essa mesma empresa pagou, em dividendos, R$1 aos seus acionistas nos últimos 12 meses.

Assim, o resultado dessa divisão é de R$0,033, como o DY é feito em porcentagem, chegamos ao resultado de que o payout da empresa foi de 3,33% em dividendos por ações.

Ou seja, cada ação dessa empresa rendeu 3,33% aos seus acionistas.

Interpretação do cálculo

Entendido como é feito o cálculo e como aplicá-lo, chegou o momento de saber interpretar o resultado do DY.

Isso porque o valor do cálculo do dividend yield permite uma série de possibilidades ao investidor. Das quais, destaque para a possibilidade de comparar o DY entre empresas na busca por qual paga mais proventos.

Todavia, vale reforçar que é necessário entender o contexto que levou ao resultado do DY. Para isso, vale elencar os fatores que fazem o DY sofrer alterações.

Fatores que influenciam no DY

Entender o DY é uma ferramenta fundamental para grande parte dos investidores, sendo que esse dado é especialmente importante para aqueles que realizam sua gestão de carteira baseada no pagamento de proventos.

Dessa forma, faz-se necessário entender fatores que podem influenciar diretamente no dividend yield, entre eles, pode-se citar três exemplos:

  1. Valor das ações;
  2. Dividendos pagos em um curto período de tempo;
  3. Dividendos extraordinários.

Valor das ações

Talvez esse seja o fator que cause maior distorção no DY. Isso porque as variações que um ativo sofre ao longo do tempo interferem diretamente no dividend yield.

Por exemplo: caso uma empresa esteja com suas ações desvalorizadas, é natural que esse índice seja maior.

Portanto, pode ser que mesmo a métrica apresentando um valor alto, a negociação não seja um bom negócio, especialmente porque o valor daquela ação não representa a cotação real daquele ativo, distorcendo assim o DY.

Portanto, é necessário reforçar que o dividend yield é de extrema utilidade, contudo é importante aliar ele com outros índices medidores.

Dividendos pagos em um curto período de tempo

Nesse caso, a distorção ocorre devido à análise de tempo distorcida, isto é, pode ser que haja uma variação no pagamento de dividendos em meses específicos, assim interferindo diretamente no DY.

Dessa forma, é necessário reforçar que essa análise deve ser feita analisando, no mínimo, o período de 12 meses.

Contudo, investidores e profissionais da área mais experientes tendem a levar em consideração o histórico de pagamentos de dividendos feitos por uma empresa.

Assim, é possível ter um entendimento macro desse quesito dentro de um negócio.

Além disso, vale reforçar que normalmente as empresas listadas na bolsa de valores já disponibilizam seu histórico de pagamento de proventos em seus sites.

Normalmente esses dados são encontrados na área de “relação com o investidor” existente em grande parte dos portais.

Dividendos extraordinários

Como já citado, os dividendos extraordinários são frutos de receitas que não eram esperadas.

Isso pode se dar através da venda de uma filial, o lançamento de um produto ou, até mesmo, um aquecimento econômico do setor no qual o negócio está inserido.

Tem o sonho de trabalhar no mercado financeiro? Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem deseja as certificações da área. Confira!

Payout

DIVIDEND YIELD: saiba tudo sobre esse importante indicador

indicador payout talvez seja um dos dados mais relevantes para o investidor que busca focar sua atuação no mercado financeiro no recebimento de proventos, portanto é fundamental entender o que é o payout.

Isso porque é esse valor que demonstra o quanto de dividendos a empresa pagará aos seus investidores.

Além disso, também é o payout que apresentará a porcentagem de lucro que a empresa obteve em um período fiscal que ficará retida.

Vale ressaltar que é a própria empresa que define a porcentagem do lucro que será retida ou distribuída entre os acionistas.

Caso a empresa não apresente a porcentagem voltada para a distribuição de dividendos, a legislação exige que no mínimo 25% do seu lucro seja utilizado para o pagamento aos acionistas.

No Brasil, o payout é utilizado especialmente por empresas que estão nos setores de consumo não cíclico e utilidade pública.

Sendo que existem grandes empresas que são marcadas por seu alto payout. Entre essas, pode-se citar os seguintes exemplos:

  • MRV (MRVE3) – 66%
  • Itaú Unibanco (ITUB3) – 82%
  • BB Seguridade (BBSE3) – 88%
  • Rede Energia (REDE3) 133%
  • Mafrig (MRFG3) – 147%
  • Siderurgia (CSNA) – 227%

Como visto, são negócios que atuam em diferentes segmentos da economia, mostrando que o investidor que busca o recebimento tem diversas opções disponíveis.

Além disso, vale reforçar que as empresas que têm o payout superior a 100% pagam dividendos maiores que sua lucratividade, para isso são utilizadas reservas de lucro e capital.

Ou seja, fator que atrai a atenção de muitos investidores iniciantes, todavia vale destacar a existência de riscos em negócios desse tipo.

Riscos de se investir em empresas com payout alto

Se deparar com uma empresa que paga proventos elevados tende a ser um grande atrativo para quem está começando a busca por investimentos desse tipo.

Contudo, esses negócios podem representar um grande risco ao investidor.

Especialmente porque as empresas podem estar se endividando para conseguir pagar esses proventos.

Além disso, há a possibilidade do negócio aumentar a porcentagem de seu payout como uma forma de compensar a queda no valor de suas ações.

Dois fatores que podem comprometer os pagamentos de proventos da empresa futuramente.

Assim, é necessário reforçar que o agente de mercado deve analisar o histórico de pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio pagos pela empresa.

Especialistas da área aconselham a busca por empresas que possuam o payout estável no período de cinco anos.

Essa prática diminui consideravelmente o risco do negócio.

Quer trabalhar no mercado financeiro? Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem deseja as certificações da área. Confira!

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Baixe agora nosso ebook gratuito para descobrir o que você precisa para conseguir uma oportunidade no Mercado Financeiro!

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO |
Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Importância do dividend yield para o profissional do mercado financeiro

DIVIDEND YIELD: saiba tudo sobre esse importante indicador

Como visto até aqui, o DY é um dos cálculos mais relevantes do mercado financeiro.

Portanto, é natural que essa ferramenta esteja no escopo do profissional que atua na área.

Por exemplo, em funções como analista de investimento e agente de investimento, muitas vezes o profissional vai se deparar com clientes que buscam ter suas atividades voltadas ao recebimento de proventos e, portanto, deve conhecer o dividend yield.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas