Doji: entenda a identificar esse padrão para lucrar no mercado de ações

doji
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A análise técnica é uma das principais formas de analisar ativos no mercado financeiro e apresenta como uma das suas figuras o Doji. 

Assim, o Doji é um dos diversos padrões/figuras utilizadas para identificar a movimentação dos preços dos ativos, visando entender qual é a tendência de cada um deles.

O que é Doji?

O Doji se caracteriza por ser um dos padrões técnicos que os analistas fundamentalistas identificam, tanto no mercado de ações, como nos demais mercados de negociação de ativos financeiros.

Assim, para identificar o padrão Doji, o investidor deve encontrar, dentro dos gráficos dos ativos, mais especificamente os candlesticks que apresentam valores de abertura muito próximos aos de fechamento.

Ao identificar esse padrão, aqueles analistas técnicos mais experientes entendem que o mercado está prestes a apresentar movimentos de reversão da tendência principal a qual o ativo estava exposto.


Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Nesse sentido, o Doji é um excelente indicador para que os analistas identifiquem as possíveis mudanças de tendências dos ativos, via análise técnica, mas não é o indicador de decisão para entrar ou não em operações.

Quais são os tipos de Doji?

Apesar de ser uma formação de candlesticks em que basicamente o preço de abertura está próximo do de fechamento, existem quatro padrões de Doji:

  • DOJI Estrela, também conhecido como star;
  • DOJI Libélula, conhecido como Dragonfly;
  • DOJI Lapide;
  • DOJI Pernalta.

O primeiro tipo de Doji, o Estrela, caracteriza-se por apresentar sombras exatamente iguais, o que faz com que o corpo do candlesticks seja imperceptível, visto que as sombras o cobrem.

Já o segundo tipo, o Doji Dragonfly pode ser identificado ao se deparar com apenas uma sombra inferior, sem que haja sombra superior, como no caso anterior.

O terceiro tipo, Doji Lápide, é o inverso do Doji Dragonfly, uma vez que tem a parte superior com sombra.

Concluindo os tipos de Doji, tem-se o DOJI Pernalta, o qual apresenta as duas sombras, mas, diferente do que ocorre com o Doji Estrela, uma das sombras apresenta tamanho diferente.

Agora que os tipos de Doji estão claros, é necessário entender como interpretar esse padrão da análise técnica.

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Baixe o ebook gratuito e confira 30 dicas que te ajudarão a se planejar da melhor forma para os exames de certificação. 

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Como interpretar o Doji?

Uma vez que identificar se um ativo vai subir ou cair é uma das atividades mais complexas e, muitas vezes, impossível de realizar, a utilização desse padrão técnico é um grande auxiliar daqueles que utilizam a análise gráfica.

Nesse contexto, ao se deparar com esse tipo de padrão, o investidor tem uma melhor expectativa de como será a tendência do ativo que eles estão estudando.

Importante dizer, que o Doji é um padrão neutro dentro da análise, isto é, ele sozinho não irá influenciar a decisão de entrar ou não em uma operação, sendo necessário utilizar outros indicadores para a tomada de decisão.

Apesar disso, ao se deparar com um Doji a primeira coisa que deve vir em mente é que existe a possibilidade, o que não quer dizer que ocorrerá, de mudança de tendência da ação ou ativo.

Dessa forma, ao alinhar o DOJI com outros padrões técnicos diferentes, como volume, a análise ganha mais valor e, com isso, reduz os riscos da operação estar errada.

 

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas