Giro de ativo: saiba mais sobre este indicador fundamentalista

Giro de ativo: saiba mais sobre este indicador fundamentalista
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Quem busca investir no longo prazo deve ter atenção aos indicadores financeiros de uma empresa, nesse sentido conhecer o giro de ativo de um negócio talvez esteja entre os principais.

O que não é à toa, pois o giro de ativo é uma forma de mensurar a capacidade que um negócio tem de gerar riqueza. Dessa forma, este se torna um indicativo de relevância no mercado, sendo inclusive tema em certificações da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord).

Conquiste as certificações do mercado financeiro! Acesse agora o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem deseja as certificações da área. Confira!

O que é o giro de ativo

Giro de ativo, ou GA, é um indicador financeiro que realiza a comparação entre a receita líquida de um negócio e o total de ativos da empresa.

Dessa forma, o GA é uma forma de demonstrar a quantidade de vezes que o ativo do negócio girou ao longo de determinado período.

Assim, seu objetivo é analisar a eficiência dos bens de uma empresa, sendo possível listar como bens, itens, como, por exemplo, esses quatro:

  1. Investimentos;
  2. Estoque;
  3. Imóveis;
  4. Maquinário.

Além disso, este indicador também aponta a eficiência com que estes ativos estão sendo utilizados no momento de gerar riqueza para a empresa.

Ou seja, este indicador é útil no momento de analisar a capacidade de um negócio em gerar riqueza.

Portanto, entender seu cálculo é relevante para o investidor que deseja utilizar o GA em sua análise.

Cálculo do GA

Como visto até aqui, o giro de ativo é a relação entre a capacidade de vendas de um negócio e o total de ativos que a mesma possui.

Assim, para se realizar o cálculo do giro de ativo é utilizado a seguinte equação:

  • GA = Receita líquida/Total médio de ativos

Sendo que a receita líquida representa o volume de venda da empresa no período de 12 meses após o desconto de alguns valores, como, por exemplo:

  • Devoluções;
  • Reembolsos;
  • Impostos sobre as vendas ou atividades.

Enquanto, o total médio de ativos, como o nome indica, é a média de ativos que a empresa possui no período de 12 meses.

Portanto, o investidor que deseja utilizar o indicador de giro de ativo em sua análise fundamentalistas, deve se atentar a construção do cálculo para obtê-lo.

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Baixe o ebook gratuito e confira 30 dicas que te ajudarão a se planejar da melhor forma para os exames de certificação. 

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Cuidados com o giro de ativo

Giro de ativo: saiba mais sobre este indicador fundamentalista

Como visto até aqui, o GA pode ser um indicador importante no momento de se escolher um investimento, pois esta é uma forma da empresa demonstrar sua capacidade de gerar receitas.

Todavia, é necessário se tomar certos cuidados antes de utilizá-lo, especialmente porque este possui algumas limitações.

Inicialmente, vale destacar que o GA não considera o impacto causado na empresa pelo setor em que ela esta inserida.

Além disso, empresas do mesmo segmento de atuação podem ter estruturas e formas de administração diferentes, fatores não considerados na concepção deste indicador da análise fundamentalista.

Dessa forma, o GA possui algumas limitações em seu uso.

Portanto, o indicado é que a utilização do giro de ativo seja feita com outros indicadores fundamentalistas, possibilitando assim um resultado mais real sobre o potencial e risco do investimento analisado.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas