Giro de caixa: saiba mais sobre este indicador financeiro

Giro de caixa: saiba mais sobre este indicador financeiro
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Analisar as qualidades de uma empresa é um passo importante para investidores que buscam rentabilidade na bolsa de valores, assim os indicadores financeiros ganham um peso grande, sendo que o giro de caixa merece um destaque especial.

Isso porque o giro de caixa é um indicador que serve para apontar tanto a eficiência de uma empresa, quanto a sustentabilidade de suas atividades. Dessa forma, é natural que esta métrica tenha peso inclusive entre profissionais da área, como é o caso do diretor financeiro.

Descubra como se tornar um profissional de sucesso no mercado financeiro. Faça os cursos do Certifiquei!

O que é o giro de caixa

Giro de caixa, ou GC, é o indicador financeiro que demonstra quantos ciclos financeiros o caixa de uma empresa teve ao longo de um ano, isto é, quantos vezes o capital circulou dentro da empresa durante o período de 12 meses.

Dessa forma, este se torna um indicador relevante no momento de se compreender a eficiência operacional e financeira de uma empresa.

Além disso, vale destacar que o giro de caixa é de utilidade para análise de empresas que dependem do fluxo de entrada e saída, como, por exemplo:

  • Empresas do setor industrial;
  • Varejistas;
  • Comerciantes;
  • Distribuidoras.

Ou seja, este indicador é uma ferramenta útil no momento de se analisar empresas que fazem parte de setores chave da economia.

Assim, compreender sua fórmula é útil.

Fórmula do GC

Inicialmente, é importante destacar que o giro de caixa é originário do ciclo financeiro, ou CCC.

Assim, é importante compreender que o ciclo financeiro representa o prazo médio, em dias, que os recursos de um negócio levam para se tornarem dinheiro.

Para se chegar a este valor, é utilizado a seguinte fórmula:

  • CCC = DIO + DSO – DPO

Sendo que:

  1. DIO – Prazo médio de estoque;
  2. DSO – Prazo médio para o recebimento das vendas;
  3. DPO – Prazo médio para pagamento de fornecedores.

Ou seja, o CCC é um dos indicadores fundamentalistas com características operacionais, cujo objetivo é mostrar o tempo de desembolso do capital e a sua volta ao caixa da empresa, isto é, por quanto tempo a empresa deve utilizar capital próprio para financiar suas atividades.

Entendido isto, é possível apresentar o cálculo do giro de caixa, que a fórmula é:

  • CG = 365/CCC

Dessa forma, temos que o cálculo do giro de caixa é baseado no fluxo financeiro da empresa ao longo do ano.

Qual a melhor certificação para me tornar Consultor Financeiro

EBOOK GRATUITO | Qual a melhor certificação para me tornar Consultor Financeiro?

Baixe o ebook gratuito para conhecer as principais certificações do Mercado Financeiro e saber tudo sobre a profissão de Consultor Financeiro

Qual a melhor certificação para me tornar Consultor Financeiro

EBOOK GRATUITO | Qual a melhor certificação para me tornar Consultor Financeiro?

Análise do giro de caixa

Giro de caixa: saiba mais sobre este indicador financeiro

Quanto maior for o fluxo de caixa de uma empresa, menos ela precisará utilizar seus recursos próprios ou de terceiros para financiar suas atividades.

Ou seja, menor será a necessidade de financiamentos e empréstimos.

Dessa forma, quanto maior for o GC de uma empresa, melhor será sua capacidade financeira.

Fator que aumenta tanto sua eficiência na gestão de recursos para se sustentar, como na sua capacidade de colocar projetos em andamento.

Portanto, o GC alto se torna um objetivo para as empresas, pois isto possibilitará com que o negócio tenha mais capital em caixa para continuar com suas operações.

Não à toa, o giro de caixa é um indicador relevante entre os investidores do mercado financeiro, se tornando, por vezes, um atrativo para as empresas.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas