Microcaps: entenda sobre as empresas pequenas e com alto potencial

midcaps
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Buscando alternativas ao portfólio de investimentos, as microcaps ganham cada dia mais espaço dentro do mercado de valores mobiliários.

Nesse sentido, e pensando que todas as empresas que estão na bolsa de valores também apresentaram valores de mercado bem abaixo do que hoje, as microcaps são uma excelente alternativa dentre os ativos de risco para ganho de capital.

O que é microcap?

Uma empresa microcap é assim classificada quando seu valor de mercado, calculado multiplicando sua quantidade de ações versus sua cotação, é igual ou menor a R$ 1 bilhão.

Por se tratar de empresas menos consolidadas e, muitas vezes estreantes na bolsa de valores, é comum que a procura por elas seja pequena, uma vez que os investidores entram no mercado financeiro buscando ações das empresas denominadas blue chips.

Apesar da grande desconfiança, são essas empresas que apresentam alto potencial de lucratividade, visto que apresentam espaço para crescimento interno e, muitas vezes, em seu segmento de negócio.

PDPF: os fundamentos para a certificação do DPO

EBOOK GRATUITO | PDPF: os fundamentos para a formação do DPO 

Baixe o ebook gratuito e conheça a primeira certificação da trilha do DPO

PDPF: os fundamentos para a certificação do DPO

EBOOK GRATUITO | PDPF: os fundamentos para a formação do DPO

Vantagens e desvantagens de investir em microcap.

Para aqueles investidores com perfil arrojado, as microcaps são uma excelente oportunidade dentro do mercado, já que permitem uma maior diversificação e, além disso, maiores chances de multiplicação de capital.

Nesse sentido, elas apresentam algumas as seguintes vantagens:

  • Potencial de valorização
  • Ganhos representativos, principalmente no longo prazo
  • Facilidade na hora de analisar o negócio

Entretanto, como é notório, no mercado financeiro sempre que existe alto potencial de lucratividade, o risco vem na mesma proporção, o que é refletido na elevada volatilidade desses ativos. 

Soma-se a isso, um cenário de incertezas, principalmente em relação ao negócio, a baixa liquidez, visto que são ações pouco procuradas por fundos de investimentos dentro da bolsa de valores e a chance de receber dividendos é muito menor.

Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Quais ações são microcaps?

Apesar de pouco difundidas, as ações que apresentam valor de mercado de até R$ 1 bilhão são excelentes alternativas para o longo prazo.  Nesse sentido, existe uma pequena lista de microcaps que são negociadas na bolsa.

Dentre as ações com essas características, tem-se a Brasil Agro (AGRO3), Tupy (TUPY3), BR Partners (BRBI11), Iochpe Maxion (MYPK3), Unifique (FIQE3), Positivo (POSI3) e Livetech (LVTC3).

Como investir em microcaps?

Ao investidor que deseja adicionar esse tipo de ações a sua carteira de investimentos, primeiramente é necessário que o perfil de investidor esteja adequado ao risco presente nesses ativos.

Em seguida, faz-se necessário entender que as microcaps não são um nome diferente para as famosas smallcaps, que são aquelas empresas com valor de mercado de até R$ 2 bilhões.

Dessa forma, o investidor deve seguir os seguintes passos antes de investir nas ações com baixo valor de mercado:

    1. Identificar microcaps
    2. Avaliar seu perfil e os riscos de sua carteira
    3. Fazer uma análise da empresa
  • Diversificar

Com isso em mente e com a conta aberta em uma corretora de valores, o investidor precisa apenas entrar na sua plataforma de investimentos e pensar se faz sentido alocar parte de seu portfólio de renda variável em microcaps.

 

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas