Poupança: saiba tudo sobre esse tipo de investimento

Poupança: saiba tudo sobre esse tipo de investimento
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Dentro do mercado de investimentos, existem diversas escolhas de aplicações as quais podem ser escolhidas para gerar uma renda passiva mensal. Dentre elas, uma das mais conhecidas é a da poupança.

Além disso, muitas vezes a poupança é o primeiro contato de uma pessoa com os investimentos por se tratar de uma aplicação de renda fixa que é acessível para as pessoas e que funciona de maneira muito simples.

O que é a poupança?

Poupança é um tipo de investimento que funciona de forma parecida a uma conta bancária, porém ela possui uma série de funções limitadas. Dentre estes, o principal é o limite de transações feitas, mas que oferece um rendimento mensal para o titular da conta.

Além disso, ela é um tipo de investimento que se encaixa como de renda fixa, ou seja, que possui regras definidas sobre a remuneração que a pessoa terá.

Nessas normas, são estipulados alguns pontos cruciais para a aplicação, como:

  1. prazo do investimento;
  2. forma de cálculo do rendimento; e
  3. maneira a qual é feito o pagamento ao investidor.

Quando falamos sobre a rentabilidade dos títulos de renda fixa como a poupança digital, devemos ter em mente que ela é ligada com algum percentual, índice ou taxa do mercado financeiro.

Os principais índices utilizados para gerar o rendimento de investimentos em renda fixa são:

  • inflação;
  • Certificado de Depósito Interbancário (CDI); e
  • taxa Selic.

E dentre eles, o mais comum é o CDI.

Investir na caderneta é a mesma coisa que poupar dinheiro?

Algo importante de se entender é a diferença entre investir na poupança e simplesmente poupar recursos.

Afinal, no primeiro caso temos uma aplicação a fim de aumentar o patrimônio enquanto, no segundo, a pessoa somente deixa de gastar o seu dinheiro, mas o deixa parado.

E deixar o dinheiro parado não é algo bom uma vez que, assim, ele perderá o seu valor devido à inflação.

O recomendado, então, é realizar algum tipo de investimento para deixar o dinheiro rendendo e trazendo um retorno positivo ao fim do período acordado.

Vale lembrar que a poupança é muito prática, simples, de fácil acesso e tem uma alta liquidez, o que a torna muito popular.

A liquidez é, inclusive, um dos pontos mais procurados e requisitados por investidores, uma vez que essa característica quer dizer a possibilidade de sacar dinheiro a qualquer momento que a pessoa quiser.

Por se tratar de uma espécie de conta bancária, é possível realizar transferências entre contas por DOC ou TED e pagar boletos.

Como funciona a poupança?

Por se tratar de uma espécie de conta bancária, podemos entender que a forma de funcionamento da poupança é parecida.

Assim, a pessoa deve transferir o valor determinado, que funciona de forma parecida a um empréstimo para o banco emissor.

Como troca dessa concessão, o banco oferece uma taxa de rentabilidade que pode ser calculada de duas formas, ambas relacionadas a taxa Selic:

  • caso a taxa esteja acima de 8,5% ao ano, o rendimento é de 0,5% ao mês somado a Taxa Referencial (TR); ou
  • quando a taxa se encontra igual ou menor a 8,5%, o rendimento da poupança é igual a 70% da Selic somado com a TR.

Porém, essa aplicação de renda fixa é considerada por muitos profissionais como simples e acessível, tendo a possibilidade que menores de idade possuam uma conta em seu nome.

Para isso, no entanto, é necessário que eles sejam representados pelo responsável legal.

E para criar a conta, basta escolher o banco de preferência, levar os documentos necessários para o procedimento e aguardar pela aprovação.

A escolha de banco não influencia na rentabilidade, que é a mesma para todas as instituições.

Quais as características da caderneta de poupança?

A fim de entender melhor como funciona esse tipo de conta, devemos ter em mente alguns pontos, que são:

  1. taxas e custos: ela é isenta de custos, inclusive de Imposto de Renda na poupança, mas deve ser declarada;
  2. é um investimento de alta liquidez, ou seja, o dinheiro pode ser sacado quando a pessoa quiser;
  3. a rentabilização ocorre no aniversário da poupança, período marcado de 30 dias que o dinheiro está na conta;
  4. o investidor possui a proteção do Fundo Garantidor de Crédito para receber até R$250 mil caso o banco quebre; e
  5. cerca de 65% dos recursos colocados na caderneta são destinados ao mercado imobiliário.

Porém, devido às características de movimentação de dinheiro, muitos investidores profissionais e pessoas do mercado financeiro a consideram mais como uma conta bancária do que um tipo de investimento.

Sendo assim, mesmo sendo muito conhecida, a caderneta de poupança é pouco recomendada como uma forma de investimento tendo em vista que o dinheiro aplicado só rende no aniversário da poupança.

Em outras palavras, podemos entender que, caso uma pessoa deposite R$1.500 na conta no dia 20 do mês e queira retirar no dia 10 do mês seguinte, ele estará resgatando o mesmo valor.

Afinal, não completou um mês que o dinheiro esteve ali, fazendo com que não houvesse nenhuma rentabilidade sobre o valor.

Qual o rendimento desse tipo de investimento?

Qual o rendimento desse tipo de investimento?

Hoje em dia, o rendimento da poupança faz uso da taxa básica de juros em nosso país, que é medida pela Selic.

Se esse índice de juros estiver até 8,5% ao ano, a rentabilidade corresponde a um valor de 70% da taxa.

Porém, se ela estiver acima de 8,5%, a poupança começa a render cerca de 0,5% somado com a Taxa Referencial, chegando a um valor próximo de 6,17% ao ano.

Este é um cenário benéfico quando olhamos pelo ponto de vista dos investimentos, mas é uma circunstância de altos juros.

E apesar de possuir um baixo rendimento, a poupança ainda é muito utilizada pelos brasileiros, e por vezes até mais interessante do que muitos fundos de renda fixa.

Isso se dá tendo em vista que, de acordo com uma pesquisa da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

Nela, a associação constatou que a poupança é maior quando comparada com fundos que cobram taxas de administração entre 0,5% a 3% por ano.

Mas para quem quer se beneficiar com os investimentos de renda fixa, existem três opções que eles podem seguir:

  1. buscar por opções de investimentos dessa categoria com resgates mais longos, como o CDB por exemplo;
  2. optar por fundos com bom histórico de rentabilidade e tenham uma média superior à da caderneta; ou
  3. preencher a carteira de investimentos com opções de maiores riscos, como fundos multimercados ou ações de empresas.

Vale pontuar, porém, que todas essas opções são somente para quem não está satisfeito com o rendimento da caderneta e possuem um perfil de investidor que tolera menos segurança para conquistar maiores retornos.

Vale a pena investir na poupança hoje?

Tendo como base a situação que a Selic está hoje, a renda da poupança e todos os pontos que colocamos até aqui, uma dúvida que fica é se vale a pena realizar esse tipo de aplicação financeira.

Mas para analisar se compensa ou não, devemos ter em mente que esse é um dos tipos de investimentos preferidos dos brasileiros, principalmente por ser fácil, prático e não ter cobrança do IR.

Somado a isso, existe um outro fator de que muitas pessoas confiam na caderneta principalmente porque é difícil perder dinheiro nela, mesmo tendo um rendimento baixo.

Agora, para ficar mais claro se é um bom tipo de aplicação, traremos os prós e os contras da poupança.

Veja abaixo os pontos positivos que ela possui:

  1. alta liquidez, dando a possibilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento;
  2. isenção do Imposto de Renda independentemente do valor que tem na conta;
  3. isenção de IOF nas transações feitas com o dinheiro; e
  4. garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para aplicações até R$250 mil.

E como todo investimento, existem também desvantagens geradas pela caderneta, que são:

  • baixa rentabilidade quando comparado a outras opções de investimentos; e
  • o dinheiro só rende no aniversário da poupança, apesar da possibilidade de resgatar a qualquer momento.

Neste último ponto negativo, vale ressaltar que o dinheiro só começa a render a partir de 30 dias que foi depositado.

Sendo assim, após expostos todos esses pontos, vale ressaltar que muitos profissionais do mercado não aconselham realizar esse tipo de investimento.

Mas se você está começando agora e ainda não tem muito dinheiro, essa pode ser uma boa porta de entrada para que você conheça mais investimentos e tenha maior rentabilidade.

Afinal, conforme diz e dita a educação financeira, é melhor deixar o dinheiro aplicado com baixa rentabilidade do que deixá-lo parado e, consequentemente, desvalorizando.

Outras possibilidades investimentos consideradas mais interessantes e rentáveis

Uma vez expostos os lados bons e ruins que a poupança possui, traremos agora uma série de investimentos que são mais atrativos do que a caderneta, oferecendo melhores possibilidades de retorno e de rentabilidade mensal.

E o primeiro deles é o Tesouro Direto, um dos investimentos mais seguros que existem hoje em dia e que rendem igual à taxa Selic.

Os lados negativos para esse tipo de aplicação é que existe cobrança de IOF nos primeiros 30 dias do depósito e também há desconto do Imposto de Renda sobre o lucro obtido.

Porém, a longo prazo ele acaba rendendo muito mais por não depender da regra do aniversário.

Logo, na dúvida entre poupança ou Tesouro Direto, dê preferência ao tesouro.

Outra boa possibilidade, e que já citamos anteriormente inclusive, são os Certificados de Depósitos Bancários, conhecidos como CDBs.

Para eles é necessário estar atento à data de vencimento porque em alguns casos é possível resgatar o dinheiro somente ao fim do período, que pode ser entre seis meses e três anos.

Entretanto, a rentabilidade desse investimento é superior à da caderneta e ele também conta com alta liquidez, tornando-o ainda mais agradável.

Outras duas boas opções são as Letras de Câmbio (LC) e as Letras de Crédito Imobiliário (LCI).

A primeira se trata de títulos de crédito que tem como intuito captar dinheiro para financiar atividades.

As LCs não são isentas do Imposto de Renda, mas possuem uma alta rentabilidade e são garantidas pelo FGC, tornando-as atrativas.

Já a LCI é um tipo de investimento que funciona de forma parecida as letras de câmbio e são isentas de IR como a caderneta.

Porém, a diferença é que por meio dele você já sabe quando o título vencerá e qual será a renda do dinheiro ao final do prazo.

Por fim, lembre-se de contar ainda com a ajuda de um gestor de investimentos para aumentar seus lucros, seja por meio da poupança ou não, e não aplique todo o seu recurso em somente uma opção!

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas