ROI: entenda mais sobre o return over investment

ROI: entenda mais sobre o return over investment
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A escolha do ativo certo para investir precisa de uma análise para guiar o investidor para evitar incertezas perante o investimento. Por isso, o ROI pode ser aplicado para escolher a melhor opção.

O ROI auxilia o investidor a examinar, no ativo financeiro, como serão os projetos e investimentos e fornece informações sobre as opções do mercado e qual pode ser a melhor escolha.  

O que é ROI?

O ROI é a sigla para o termo em inglês Return Over Investment, que traduzido significa retorno sobre investimento. Esse índice é usada em análises sobre o quanto uma empresa tem de rendimento financeiro com base nos investimentos realizados.

Com o ROI, é possível identificar o quanto uma empresa teve de ganho ou perda para cobrir custos com recursos e ainda sim conseguiu retorno financeiro. 

No mundo dos investimentos, o ROI é uma métrica muito utilizada. Isso porque permite averiguar como as empresas conseguem ter ganhos a partir dos investimentos feitos por elas mesmas em diversos segmentos para melhor funcionamento. 

Assim, o ROI é um parâmetro fundamental na análise fundamentalista para identificar os retornos financeiros que podem ou não ter acontecido. Justamente por isso é muito utilizado na análise de vários tipos de investimentos como:

  • Campanhas de marketing
  • Compra de maquinário
  • Carteira de investimentos
  • Capacitação de profissionais
  • Abrir novas lojas

Qual sua importância? 

ROI: entenda mais sobre o return over investment

O ROI é uma métrica importante tanto para os empreendedores quanto para os investidores. Para os empreendedores, possibilita avaliar o potencial que um investimento tem de gerar lucro e é usado na análise do negócio

Isso porque analisando esse desempenho, a empresa consegue estabelecer metas e objetivos de maneira concreta, baseada em dados e resultados de cálculos feitos para isso. 

Ademais, o retorno sobre o investimento auxilia os empreendedores nas decisões relacionadas à empresa, especialmente nas decisões relacionadas a quais investimentos fazer que tenham potencial de geração de um retorno esperado. 

E para os investidores, o ROI é importante para as análises de  investimentos de renda fixa que tem apenas uma entrada e uma saída (investimento e retorno). 

Também é possível usar em outras aplicações, como ações e fundos de investimento, mas é bom frisar que nesses casos, a análise precisa ser mais complexa já que considera-se todos os aportes e retornos no tempo total do investimento.  

Com isso, o ROI é uma métrica ampla que pode ser usada para analisar o retorno obtido em qualquer tipo de investimento. Por isso, é muito utilizado como termômetro que auxilia na tomada de decisões tanto de quem investe quanto de quem empreende. 

Como seu resultado mede quanto que o investimento será dado em retorno financeiro, esse indicador de performance está relacionado à segurança da empresa em estabelecer estratégias que se transformem no retorno esperado. 


Já pensou em ser um profissional do mercado financeiro? Se qualifique com os cursos do Certifiquei e entre em um dos mercados com mais oportunidades no Brasil! 

Como calcular o ROI?

No cálculo do retorno sobre o investimento, é possível determinar o tempo em que o investimento retornará para a empresa ou investidor 

Para esse cálculo, é preciso encontrar o valor do lucro. Após ter esse número, a fórmula do ROI para encontrar a rentabilidade é a seguinte:

  • ROI = (Lucro / Investimento) x 100

O lucro usado nesse cálculo é o chamado lucro bruto. Ou seja, é o lucro antes do desconto dos impostos e taxas. 

Como analisar o ROI?

O ROI, assim como a maioria das métricas relacionadas a empresas e investimentos, não são formas absolutas de análises de um ativo. Dessa maneira, esse indicativo precisa estar em conjunto com outros para ter uma visão mais ampla e clara do resultado. 

Justamente por não ser um resultado financeiro independente, um ROI alto pode enganar um investidor. Por exemplo, se não tiver outro dado comparativo que possa dar base para esse resultado ser levado como correto. 

Por isso, a análise do retorno sobre investimento pode ser considerada subjetiva e precisa levar em conta as variações do mercado e segmento da empresa analisada. 

O tempo também é uma questão que deve ser analisada com cuidado no ROI. Os prazos são diferentes em cada empresa e isso é determinante na interpretação dos resultados. Apesar de uma fórmula simples, essa métrica precisa de conhecimento de interpretação por parte do profissional que está realizando o cálculo. 

Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor

EBOOK GRATUITO | Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor?

Baixe o ebook gratuito para conhecer tudo sobre o CNPI e saber como esta certificação pode te ajudar a investir melhor!

Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

O que é um ROI bom?

Um ROI bom pode ser um resultado relativo. Por ser uma métrica não independente e com elementos limitados, o retorno sobre investimento não tem resultados na ponta da língua. 

Um ativo financeiro pode ter um ROI alto, mas ter um dano relacionado à reputação da marca e ao seu nome. Ou um projeto pode ter um custo alto e pouca receita e mesmo assim gerar um retorno positivo, mas pouco palpável. 

Assim como um ROI de 10% pode ser considerado negativo se for o resultado mensal, mas se for diário é ótimo. Os fatores externos tem muita presença no cálculo dessa métrica. 

Por isso um ROI negativo não necessariamente é algo ruim. Assim como o ROI positivo não é algo isoladamente bom. O que esse índice pode ajudar a entender é como direcionar as estratégias do investidor ou empreendedor para o negócio ou investimento para que essa empresa tenha uma saúde financeira considerada positiva. 

Vantagens e desvantagens do retorno sobre investimento 

Como qualquer outro indicativo financeiro, o ROI tem vantagens e desvantagens. Apesar de importante, é preciso levar em conta se ele é suficiente ou indicado para a análise que você precisa.

Vantagens 

A primeira vantagem do ROI é a possibilidade de analisar se um investimento vale a pena com base no possível retorno dele, através de uma comparação de possíveis resultados de investimentos diferentes e qual apresenta um retorno melhor. 

Outra vantagem, é que o cálculo do ROI é fácil e baseado em dados usados pela contabilidade. Dessa forma, esse acesso é feito de forma tranquila nas demonstrações financeiras da empresa. 

Além disso, esse indicador pode trazer uma visão ampla do investimento, apesar de que não deve ser usado como métrica independente para isso, mas auxilia nesse processo. 

No caso dos investimentos, é mais indicado usar o ROI nos simples e de curto prazo, com apenas um investimento e um retorno, como é o caso da renda fixa. 

Usar o ROI em investimentos mais complexos aumenta, também, a complexidade da conta. Isso porque são necessários dados de cálculos dos custos de investimento durante o período total da aplicação e a soma dos retornos através deles. 


Conheça os cursos do Certifiquei e se torne um profissional qualificado para atuar no mercado financeiro! 

Desvantagens 

No campo das desvantagens, a primeira que podemos considerar é que algumas empresas são difíceis de definir um ROI, porque elas sempre estão investindo em muitas áreas ao mesmo tempo, o que dificulta identificar o retorno de cada um deles. 

Nesses casos, o cálculo do ROI não tem muita validade e não é recomendado como algo a ser usado em uma análise ou tomada de decisão, seja da empresa ou do investidor.

Outra desvantagem é que os conceitos que envolvem o cálculo podem ser considerados indefinidos. O lucro, por exemplo, pode ser o operacional, bruto, financeiro… Ou seja, o cálculo pode não ser certeiro. 

O fato do ROI ser voltado, majoritariamente, para os investimentos de curto prazo também pode ser considerado uma desvantagem, porque ignora os investimentos de longo prazo e suas rentabilidades. 

Outros indicadores semelhantes ao ROI

Além do ROI, há outros indicadores usados em análises financeiras que podem tanto complementar quanto ser usados de forma isolada.

O primeiro é o payback, que é uma métrica usada para analisar o tempo que determinado investimento vai retornar como lucro para a empresa (se será igualado ao valor do investimento). 

Através desse resultado, o payback reflete se determinado investimento é de curto prazo, médio prazo ou longo prazo e assim como o ROI, tem uma fórmula simples que é: 

  • Payback = Investimento inicial / Economia obtida

Outro indicador é a Taxa Interna de Retorno, ou TIR. Esse indicador pode ser conciliado ao ROI e auxiliar em resultados melhores e mais amplos. Ela é a taxa que iguala o fluxo de caixa antecipado com o valor investido. 

A TIR é usada, muitas vezes, em empresas para determinar se ela deve ou não realizar um investimento. Ou seja, é usada para avaliar se determinado projeto de investimento é atrativo e trará retorno ou não. 

Quando não usar o ROI? 

O retorno sobre investimento não deve ser usado para comparação de investimentos em épocas diferentes ou quando não há uma garantia de que os retornos são causados pelo investimento (quando podem ser causados por outras causas). 

O cálculo dessa métrica precisa que as condições dos fatores sejam iguais para que a comparação entre ativos seja justa. Caso esse não seja o caso, é possível usar outros índices como valor presente líquido, payback e TIR. 

E também, quando não há garantia de que o retorno em questão foi oficialmente causado pelo investimento. Especialmente em empresas com funcionamento mais complexo e amplo, fica difícil usar o retorno sobre investimento de forma isolada.

Apesar disso, o ROI ainda pode complementar os resultados primários sempre que utilizado de forma complementar, ou em casos mais simples ser uma métrica principal para análise de empresas e investimentos. 

 

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas