Tesouro prefixado: o que é, como funciona e onde investir?

Tesouro prefixado: o que é, como funciona e onde investir?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Dentro do mercado monetário existem diversos tipos diferentes de investimentos os quais podem ser feitos. Um deles, porém, é o tesouro prefixado.

O tesouro prefixado é um tipo de investimentos em títulos públicos que, por sua vez, é a melhor opção para aqueles que desejam entrar no mundo dos investimentos mas não quer correr muito risco.

O que é tesouro prefixado?

Tesouro prefixado é um título público, um dos possíveis tipos de investimentos disponíveis dentro do tesouro direto e, normalmente, indicado para aplicações de resultado em médio e longo prazo.

Isso se dá devido as suas opções de vencimento, que podem ser em uma data fixa, ocorrendo então apenas uma vez por ano, ou semestral, possuindo duas datas as quais o dinheiro pode ser recebido.

E para esclarecer melhor como cada um deles funciona, separamos abaixo uma explicação sobre o anual e o semestral, confira:

  • LTN: o título prefixado normal, ou seja, títulos que pagam com rentabilidade fixa, mas apenas no vencimento;
  • NTN-F: um tesouro prefixado com juros semestrais;

Para este último caso, porém, é necessário ter em mente que apesar de o dinheiro poder ser recebido antes do vencimento, quando falamos em  longo prazo o ganho é reduzido.

Isso se dá uma vez que os juros compostos são diminuídos, afinal, o dinheiro retirado na primeira data deixa de render juros por não estar aplicado.

Por isso, uma recomendação para quem deseja possuir um maior lucro é reinvestir o que foi retirado do semestral, ou então aplicar uma quantia somente no tesouro direto prefixado.

Sobre os títulos públicos, é importante explicar que eles são divididos em três modalidades diferentes:

  • tesouro prefixado, que é o nosso assunto deste artigo;
  • IPCA; e
  • tesouro pós-fixado.

E quando falamos sobre as diferenças entre eles, cabe pontuar que o IPCA é um índice medido pelo IBGE.

Ele que depende diretamente da variação dos preços do comércio para gerar lucro ou prejuízo para quem investe nele.

Por outro lado, o pós-fixado possui rentabilidade vinculada a algum indexador externo, e o valor do rendimento só é conhecido no dia em que ele será resgate.

Quanto rende o tesouro prefixado?

Como vimos, os títulos prefixados, fazem parte do Tesouro Direto, que, por sua vez, é classificado como renda fixa.

E neste tipo de investimento, o investidor tem total ciência sobre as condições de rendimento que essa aplicação possui, desde a compra até mesmo a data de vencimento que ela possui.

Sendo assim, ele é formado basicamente por três tipos de ações:

  1. título público prefixado;
  2. Selic; e
  3. IPCA.

No caso do prefixado, ele rentabiliza taxas fixas. De tal forma, o valor utilizado para calcular quanto será recebido após o investimento é determinado no momento de compra.

Além disso, o preço se mantém até a hora de resgate do investimento.

Porém, quando falamos sobre a taxa de juros que ele possui, tudo depende de qual for o formato escolhido.

Onde devo investir, no tesouro prefixado ou na Selic?

Algumas pessoas ficam na dúvida entre investir no tesouro prefixado ou Selic, sendo a última uma taxa recomendada para objetivos de curto prazo.

Por isso, a primeira recomendação é analisar qual é o prazo desejado.

O Tesouro Direto Selic é mais recomendado a curto prazo, uma vez que possui liquidez diária e a sua rentabilidade segue o CDI, Certificado de Depósito Interbancário.

Em outras palavras, podemos entender que este tipo de investimento pode ser resgatado a qualquer momento desejado, sempre com segurança e sem perder a rentabilidade.

Por outro lado, o spread, que é a diferença entre preço de compra e venda de uma ação, é de 0,01% sobre a rentabilidade total.

Assim, normalmente este título é usado para construção de uma reserva de emergência, ou seja, um fundo que equivale a seis vezes, ou mais, o custo mensal do investidor.

A intenção desta ação é solucionar eventuais perdas de renda, que pode ser causada por uma demissão ou até mesmo problemas de saúde.

Logo, podemos entender que para quem deseja obter resultado a curto prazo, a Selic é mais indicada do que o título prefixado.

O IPCA é uma possibilidade melhor de investimento?

Citado anteriormente, o IPCA também é um tipo de título que está dentro do tesouro direto, o que faz com que ele também surja como uma possibilidade para quem deseja investir.

Por isso, quando falamos sobre aplicar dinheiro em tesouro prefixado ou IPCA, a discussão ainda gira em torno do prazo o qual o investidor deseja ter retorno.

O IPCA, ou Índice de Preços para o Consumidor Amplo, é um índice medido pelo IBGE que identifica a variação dos preços no comércio.

E de acordo com o Banco Central, ele é a taxa brasileira oficial de inflação ou deflação.

Por outro lado, ele é um tipo de investimento híbrido indexado à inflação e, normalmente, mais indicado para deseja resultados a longo prazo.

O resultado deste tipo de aplicação vem da curva de juros do Brasil.

Porém, apesar de estar em estabilidade em níveis baixos atualmente, ele é um título de investimento altamente popular e muito indicado uma vez que, por muito tempo, ele foi o título com maior número de aplicações.

E a melhor dica para este tipo de investimento é aplicar somente se estiver predisposto a manter os papéis até a data de vencimento.

Contudo, lembre-se que uma das dicas de profissionais do ramo é que nem sempre o melhor caminho é aplicar o dinheiro em apenas uma das opções.

Uma vez tendo maior conhecimento sobre o tesouro prefixado, que tal começar a investir agora mesmo ou então contratar um consultor de investimentos para te auxiliar neste processo?

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas