TIR: conheça tudo sobre essa importante métrica da área de finanças

TIR: conheça tudo sobre essa importante métrica da área de finanças
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Antes de aplicar recursos em um ativo financeiro é preciso observar alguns indicadores essenciais para análise de viabilidade de um bom negócio. Um desses indicadores é a Taxa Interna de Retorno, ou TIR, uma das mais conhecidas.

TIR é um dos índices usados para calcular o potencial de retorno de um investimento. Vamos entender mais sobre a importância deste indicador financeiro no artigo a seguir.

O que é a TIR

Taxa Interna de Retorno, ou TIR, é uma métrica utilizada com o objetivo de chegar ao percentual de retorno financeiro possível de um negócio, sendo uma prática de engenharia econômica.

Para isso, este indicador calcula a taxa de desconto que necessita ter um fluxo de caixa, com o objetivo de que seu Valor Presente Líquido, conhecido como VPL, seja igual a zero.

Um dos pontos que fazem esse índice ser tão relevante é: sua análise é construída também com base no valor que o capital tem ao longo do tempo.

Ou seja, é feito uma relação entre juros e tempo quando se trabalha com esse método.

Como a TIR é calculado

A Taxa Interna de Retorno é calculada da seguinte forma:

Sendo que:

  • t: representa o período no qual ocorre o fluxo de caixa, sendo que isso pode representar meses, semestres ou anos.
  • FCt: fluxo de caixa no período referente ao “t”;
  • n: quantidade total de todos os períodos analisados;
  • Σ: soma dos fluxos de todos os períodos.

Através dessa equação é possível chegar ao valor da TIR, e com isso entender se um negócio pode ser atrativo ou não. Para isso é necessário fazer a comparação com outra taxa.

Taxa mínima de Atratividade

Para se ter a real ideia acerca da TIR, é necessário comparar ela com a Taxa Mínima de Atratividade, ou TMA.

A TMA nada mais é que o valor que representa a rentabilidade mais fácil de se obter, sendo que isso é aliado ao risco mais baixo.

Assim, é possível perceber que para um projeto ser viável sua TMA deve ser positiva.

Para pessoas físicas, boas TMAs costumam ser rendimentos de renda fixa, casos de Tesouro Direto, por exemplo.

Enquanto, se analisado pela ótica empresarial, a TMA normalmente está atrelada ao custo de capital.

Entendido o funcionamento da Taxa Mínima de atratividade, é possível fazer uma relação entre TIR e TMA.

E isso pode acontecer de três formas, são elas:

  1. Em um primeiro cenário, se a Taxa Interna de Retorno é igual a Taxa Mínima de Atratividade, o projeto só seguirá através da tomada de decisão dos investidores;
  2. Já em uma segunda situação, onde a Taxa Interna de Retorno supera a Taxa Mínima de Atratividade, é possível afirmar que o projeto é um bom negócio e que vale o investimento.
  3. Por fim, há a chance da Taxa Interna de Retorno estar abaixo da Taxa Mínima de Atratividade, assim pode-se dizer que o projeto deve ser recusado.

Vantagens e desvantagens da Taxa Interna de Retorno

Sendo uma das taxas de grande relevância do mercado, é natural que ela possui algumas vantagens, das quais é possível citar:

  • Por se tratar de um valor relativo, a Taxa Interna de Retorno se torna uma métrica de fácil utilização na hora de se comparar investimentos;
  • Fácil interpretação, permitindo assim que mais pessoas consigam utilizar esse método em suas análises;
  • Analisa variações que o dinheiro tem ao longo do tempo, isso é, os fluxos futuros são levados em consideração quando essa métrica é utilizada.

Da mesma forma que é natural que a TIR tenha vantagens, também há de se destacar que essa métrica conta com algumas desvantagens, como:

  • Exposição ao risco, especialmente por contemplar apenas ganhos em sua estrutura, ignorando assim possíveis perdas que o projeto ou investimento tenha ao longo do tempo;
  • Impossibilidade de aplicá-la em projetos em que o fluxo de caixa não seja o convencional;
  • Possibilidade de variação entre nenhuma e várias taxas de retornos referentes aos projetos;
  • O cálculo da Taxa Interna de Retorno é mais complexo quando comparado a de outros indicadores financeiros, assim se torna complicado de ser realizado manualmente.

Quer trabalhar no mercado financeiro? Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem deseja as certificações da área. Confira!

Importância da TIR para profissionais do mercado financeiro

TIR: conheça tudo sobre essa importante métrica da área de finanças

Como citado até aqui, a Taxa Interna de Retorno é de suma importância para projetos e investimentos, assim é fundamental que quem atua profissionalmente na área de investimentos tenha compreensão dela.

Isso porque a TIR pode ser um ótimo caminho na hora de se encontrar investimentos promissores, sendo um grande aliada no momento das análises.

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Baixe agora nosso ebook gratuito para descobrir o que você precisa para conseguir uma oportunidade no Mercado Financeiro!

Como trabalhar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO |
Como trabalhar no Mercado Financeiro?

Contudo, vale ressaltar que é importante utilizar outros indicadores financeiros juntos à Taxa Interna de Retorno quando se vai analisar um negócio.

Especialmente porque ao utilizar apenas ela como base, algo feito por muitos investidores e empresas, o investimento terá um risco maior.

Ou seja, existe uma chance maior de que a decisão tomada seja equivocada.

Ainda assim, vale ressaltar que mesmo com as desvantagens, especialmente em relação a sua complexidade, a Taxa Interna de Retorno segue sendo uma das principais métricas utilizadas no mercado financeiro.

Assim, ao profissional que busca trabalhar com investimentos, é fundamental o conhecimento sobre a TIR, entendendo como é feito o cálculo, de que forma utilizar ela ao ser favor e, especialmente, as vantagens que são possibilitadas por esse indicador.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas