Valuation: saiba como calcular o valor da empresa

valuation
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Para aqueles que atuam no mercado financeiro, um dos pontos mais fundamentais é o momento de se definir a compra de um ativo. E não poderia ser diferente, afinal a pessoa estará colocando capital e expectativas naquele negócio, portanto é natural que o processo de escolha de investimentos seja tão importante. E, dos diversos fatores que são analisados, o valuation da empresa talvez seja o de maior impacto.

Vale ressaltar que isso não é à toa, afinal o valuation da empresa é o fator que vai determinar se um negócio está sendo vendido por um preço justo ou não. Ainda é possível destacar que essa métrica pode ser utilizada para analisar empresas de setores como bancário, agrícola, varejo, entre outras. Assim, aumentando ainda mais sua importância no mercado.

Tem o desejo de trabalhar no mercado financeiro? Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem busca os certificados da área. Confira!

O que é o valuation?

O valuation, traduzido para português “Avaliação de Empresas“, é um estudo financeiro utilizado para estimar o valor intrínseco de um ativo, seja ele real, como um empreendimento do setor imobiliário, ou financeiro, como a ação de uma empresa.

Através desse estudo é possível determinar o preço justo de uma ação, além de avaliar os rendimentos possíveis através daquele investimento.

Dessa forma, esta métrica se torna de extrema relevância para investidores e profissionais da área, afinal através dela é possível encontrar um caminho para investir ou recomendar produtos disponíveis no mercado financeiro.

Todavia, vale reforçar que mesmo sendo de grande valia aos agentes do mercado, este indicador não representa um cálculo exato, afinal seu resultado é sujeito a uma série de variáveis.

Isso porque esse método é fundamentado em diversas premissas subjetivas, especialmente por se tratar de estimativas futuras.

Afinal, para chegar ao valuation são levados em conta o valor do ativo naquele momento, frente à expectativa de crescimento do fluxo de caixa do negócio a partir daquele investimento realizado.

Entendido isso, é possível elucidar sobre a importância deste método.

Importância do valuation

Para se explicar a importância do valuation, é possível utilizar um exemplo cotidiano na vida de grande parte da população.

Você vai no mercado localizado na esquina de sua casa para comprar um pacote de seu biscoito preferido, ao chegar lá este produto está custando R$100. É natural imaginar que o preço vai te assustar e você acabará não comprando aquele produto naquele estabelecimento.

Porém, seu desejo ainda não foi atendido. Portanto, você vai até um mercado mais distante e consegue comprar aquele mesmo produto, porém agora pelo valor “justo” de R$3.

A situação citada acima parece absurda, contudo esta possibilidade é bem real na bolsa de valores, especialmente quando não são analisados com cuidado os dados acerca de um ativo.

Ou seja, é possível gastar um valor extremamente elevado por um ativo que não vale a maior parte daquele preço.

Por isso o valuation é uma ferramenta de tanta utilidade, afinal, através deste método é possível chegar mais próximo do valor real do negócio, assim não pagando uma quantidade maior e, consequentemente, potencializando lucros e amenizando prejuízos.

Todavia, para que isso aconteça existe a necessidade de traçar parâmetros. Um bom caminho para conseguir isso é através da comparação.

Um exemplo: através da comparação entre empresas do mesmo setor e com históricos semelhantes é possível entender quais ativos estão sendo cobrados por um valor justo.

O mesmo vale para situações de venda, em que é possível, através do valuation, entender qual é o melhor momento para comercializar determinado ativo.

Além disso, uma grande vantagem possibilitada por esta métrica é a segurança. Afinal, ativos com valuations atrativos tendem a ter uma margem de segurança considerável.

Especialmente pelo fato de que ao comprar uma ação por um preço justo, mesmo que, posteriormente, ela desvalorize, o investidor não terá perdido tanto capital, ainda mais se comparado a outros investidores que não seguiram esta mesma prática, assim comprando o ativo por um preço mais elevado.

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Baixe o ebook gratuito e confira 30 dicas que te ajudarão a se planejar da melhor forma para os exames de certificação. 

30 dicas para tirar sua certificação

EBOOK GRATUITO | 30 dicas para você se preparar para a sua prova

Métodos para se utilizar o valuation

Para se chegar ao valuation de empresas existem diversos métodos. Dos quais, é possível citar:

  1. FDC – Fluxo de Caixa Descontado;
  2. Valuation Contábil;
  3. Valuation de Liquidação;
  4. Múltiplos do Mercado;
  5. Valuation Pré-Investimento e Pós-Investimento.

FDC – Fluxo de Caixa Descontado

Talvez o FDC seja o método mais utilizado quando se busca chegar ao valor justo a ser pago por um ativo.

Isso porque nessa métrica, o valor de um ativo é construído com base no fluxo de caixa futuro referente ao negócio, descontando valores que representam os riscos envolvidos no negócio.

Ou seja, o fluxo de caixa descontado é um método que corrige o superávit do negócio ao longo do tempo.

Vale ressaltar que o FDC pode ser classificado das seguintes formas:

  • Premissa da continuidade temporal, em oposição a uma série de ativos;
  • Distinção entre o ativo em si e o patrimônio líquido do negócio;
  • Baseando no valor presente após ajuste e retornos em excesso.

Das três classificações citadas, a primeira é a mais utilizada.

A principal vantagem de se utilizar o fluxo de caixa descontado é a possibilidade de prever as variações em relação ao valor de um negócio, sendo isso feito em diferentes cenários.

Outro ponto positivo é a capacidade de utilização deste dado como uma ferramenta na gestão de risco, isto é, através dele é possível entender os movimentos no fluxo de caixa de um negócio no médio prazo.

Porém, o FDC também possui algumas desvantagens a serem consideradas, sendo que a principal está relacionada ao longo prazo.

Isso porque quanto maior for o período de tempo analisado, mais imprecisas se tornam as projeções realizadas com base neste dado.

Outro ponto, que pode ser considerado uma desvantagem do fluxo de caixa descontado é a complexidade para sua construção, afinal são analisados uma série de dados, o que automaticamente demanda mais trabalho.

Valuation Contábil

Como o próprio nome já pode indicar, no valuation contábil são analisados apenas a contabilidade do negócio, sendo isso representado pelo lucro líquido.

Como principal vantagem, está a praticidade em utilizá-lo.

Contudo, por ignorar uma série de descontos, esta métrica acaba sendo rasa no momento de chegar no valuation de uma empresa.

Assim, é necessário que sua utilização seja feita em conjunto com outros métodos, fazendo com que a análise seja mais completa.

Outra desvantagem deste método está no fato dele não contemplar os bens intangíveis que uma empresa possui.

Assim, valores como marca e patente são excluídos desta conta.

Valuation de Liquidação

Em suma, o valuation de liquidação é a soma de todos ativos que um negócio possui, menos os passivos do mesmo.

Normalmente, esta métrica é utilizada por quem busca vender as ações que tem de um negócio, afinal o valuation de líquido é utilizado em situações em que a empresa está fechando.

Sua principal vantagem é: através deste método é possível chegar ao valor intrínseco do negócio no curto prazo, possibilitando vender o ativo por um valor justo de acordo com o contexto.

Múltiplos de Mercado

O método de Múltiplos de Mercado consiste na avaliação do setor em que a empresa se posiciona, sendo que através deste ponto é possível chegar no valuation de empresas.

Ou seja, nessa métrica são comparados indicadores financeiros de diferentes empresas do mesmo setor de mercado.

Vale ressaltar que para se chegar ao valor do Múltiplo de Mercado geralmente são analisados o Lajida ou Ebitda do negócio.

Assim, é possível ter um panorama acerca dos valores que são cobrados por ações “semelhantes”. Outro ponto positivo deste método é a facilidade em sua utilização.

Todavia, existem algumas desvantagens na utilização desta métrica.

Talvez a principal seja a dificuldade de encontrar modelos de negócios que sejam formados de maneira semelhante, assim o resultado acaba tendo distorções por não considerar tais distinções comuns entre empresas.

Outro ponto desfavorável neste método é que sua análise foca apenas no contexto do setor, ignorando assim o momento vivido pelo próprio negócio, ponto que pode gerar distorções posteriormente.

Valuation Pré-Investimento e Pós-Investimento

O Valuation Pré-Investimento é o valor que a empresa possuía antes de receber um aporte financeiro volumoso.

Tal métrica é muito utilizada em casos de oferta pública inicial, o IPO, sendo que o valor considerado é referente ao valor que a empresa possuía antes da entrada do capital.

Enquanto o Valuation Pós-Investimento é o valor que a empresa possui após a entrada de um aporte financeiro.

Através desta modalidade, é possível entender o papel que um investidor teve no crescimento de um negócio. Além disso, tal métrica auxilia no momento de se calcular a capacidade de expansão da empresa.

Comece agora a trilhar o caminho para trabalhar profissionalmente no mercado financeiro, acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem busca atuar na área. Confira!

Como chegar ao valuation de empresas?

valuation

Outro passo importante para o entendimento deste estudo é compreender qual a forma de utilizá-lo.

Como o método mais utilizado é o FDC, esta será a referência deste passo a passo em como realizar o valuation. Sendo esse dividido em três passos. São eles:

  1. Projeção de fluxo de caixa;
  2. Definição das taxas de desconto;
  3. Soma dos fluxos descontados.

Além disso, ainda é necessário destacar como é feito para chegar ao valuation de empresas de diferentes portes.

Projeção de fluxo de caixa

Com base no método do Fluxo de Caixa Descontado, o primeiro passo para se chegar ao valuation de um negócio é entender os ganhos e gastos de uma empresa durante determinada faixa de tempo, ou seja, seu fluxo de caixa.

Para se aproximar do valor intrínseco de uma ação, ainda são levadas em consideração informações como:

  • Produtos vendidos pelo negócio;
  • Região ou regiões geográficas onde a empresa atua;
  • Possibilidade de diversificação de produtos no curto e médio prazo;
  • Canais utilizados pelo negócio para comercializar seus produtos;
  • Despesas com propaganda e comercialização;
  • Consideração da inflação ao longo do tempo.

Vale ressaltar que uma análise mais completa, cujo objetivo é entender o fluxo de caixa, leva em consideração, em média, os dados referentes aos últimos cinco anos, desde que a empresa seja estável.

Todavia, o setor no qual o negócio está inserido também vai interferir diretamente nesse ponto.

Em setores de maior estabilidade como: financeiro, energético, construção imobiliária, as empresas tendem a ter estabilidade, assim a avaliação se torna mais clara.

Além disso, é possível pegar faixas de tempo maiores na análise sem que a mesma perca a qualidade.

Ou seja, esse método é de grande valia para elaboração de análises fundamentalistas.

Todavia, em segmentos ligados a inovação e tecnologia esse cenário se inverte, afinal as oscilações são maiores.  Empresas de menor porte também estão neste escopo.

Portanto, em casos assim, uma análise de médio e longo prazo acaba sendo imprecisa, assim o ideal é que o estudo seja feito sobre faixas de tempo menores.

Acrescentar taxas de crescimento no fluxo de caixa para os anos seguintes também é uma ferramenta de grande valia em cálculos assim.

 Definição das taxas de desconto

Outro passo essencial do processo para se chegar ao valuation empresarial pelo FDC é definir as taxas de desconto. Para isso, é necessário estabelecer um parâmetro específico.

Todavia, não há um consenso do mercado em relação a definição da taxa de desconto.

Dessa forma, o entendimento deste passo se torna o mais complexo de todos.

Em suma, a taxa de desconto é um cálculo referente à desvalorização que o capital teve ao longo do tempo, sendo esta queda fruto das incertezas que envolvem o negócio e o mercado.

Sendo que a taxa de desconto precisa ser maior que a taxa básica de juros da economia, a Selic.

Além disso, essa métrica é construída na comparação entre os riscos de empresas que atuam no mesmo setor.

Como apontado anteriormente, o modo utilizado para alcançar tal taxa não é consenso. Assim, é possível entender três formas diferentes para se calcular a taxa de desconto, são elas:

  • Calcular a taxa de desconto com base no rendimento médio que a empresa possui na bolsa de valores;
  • Realizar o cálculo da taxa de desconto através da média dos rendimentos de renda fixa;
  • Calcular a taxa de desconto com base no custo de capital da empresa com a média de riscos do setor no qual ela está inserida.

Desses três cálculos, o mais utilizado é o primeiro, no qual o rendimento médio do ativo na bolsa de valores é o valor considerado para chegar na taxa de descontos.

Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor

EBOOK GRATUITO | Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor?

Baixe o ebook gratuito para conhecer tudo sobre o CNPI e saber como esta certificação pode te ajudar a investir melhor!

Como a certificação CNPI pode te ajudar a investir melhor

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Soma dos fluxos descontados

O último passo é a soma dos dois anteriores, ou seja, a soma do fluxo de caixa completo da empresa, menos as taxas de desconto do negócio. Assim, é possível alcançar o valuation da empresa.

Além disso, é importante reforçar as diferenças existentes para se chegar ao valuation de empresas de diferentes portes.

Fazendo valuation em empresas de diferentes portes

Inicialmente, vale destacar as técnicas utilizadas para se chegar ao valor intrínseco de negócios considerados de grande porte, além das peculiaridades desse método.

Empresas de grande porte

Por ser um negócio de grande porte, é provável que seja mais fácil calcular o valuation deste tipo de situação, especialmente quando se tratar de uma empresa de capital aberto.

Isso porque, normalmente, são disponibilizadas informações relevantes, como:

  • Fluxo de caixa;
  • Relatório de administração;
  • Demonstração de resultados;
  • Balanço patrimonial.

Sendo esses, apenas alguns dados disponibilizados por este tipo de empresa.

Outro ponto favorável ao se analisar empresas de grande porte é a quantidade de informação externa disponível sobre elas.

Ou seja, é comum que profissionais da área compartilhem artigos, opiniões, vídeos e outras formas de comunicação sobre aquele negócio.

O risco menor que envolve um negócio deste tipo é outro ponto positivo, afinal, por ter uma trajetória longa e ser estabilizada no mercado, uma empresa de grande porte apresenta mais segurança sobre seu desempenho futuro.

Contudo, para se aproveitar ao máximo destas informações é necessário que o investidor ou profissional do mercado definam o método utilizado.

Assim, se o objetivo é conseguir rendimentos no longo prazo, o método mais efetivo será o Fluxo de Caixa Descontado, afinal tal métrica favorece investimentos com essa característica.

Agora, se o foco é encontrar ações que estejam sendo vendidas por um valor baixo, porém com rápido potencial de ganhos, isso é, vender no curto prazo este ativos, o método de Múltiplos de Mercado é mais interessante.

Empresas de pequeno porte

Diferente de negócios de grande porte, por vezes, as informações de seu balanço financeiro não são tão fáceis de encontrar, ou seja, o trabalho para se realizar o valuation de empresas deste tipo é mais complexo.

Geralmente, investidores e profissionais que buscam seguir este caminho de investimento estão em busca de oportunidades, afinal há chance de encontrar negócios com grande potencial de crescimento.

Vale ressaltar que startups estão incluídas neste “segmento”, sendo que no processo de crescimento deste tipo negócio aparecem diversas possibilidades aos investidores, das quais é possível citar os processos de captação de:

  • Capital semente;
  • Investidores anjo;
  • Capital de risco;
  • Oferta pública inicial.

Em casos assim, cabe ao investidor ficar atento ao potencial do negócio e estar preparado para as oscilações. Afinal, um erro na análise pode resultar na perda do valor investido.

Por isso alguns pontos merecem atenção no momento de se realizar o valuation de uma ação deste tipo.

Inicialmente é necessário reforçar que para emrpresas deste tipo, em especial as startups, o valuation é fruto de seus potencial de crescimento.

Ou seja, informações que são de suma importância na avaliação de grandes empresas, casos de: participação do mercado, faturamento e lucratividade, acabam ficando de lado em avaliações assim.

Por fim, vale reforçar que para todos os casos de valuation e, em especial, em situações de avaliação de empresas de pequeno porte, é necessário se levar em consideração três processos. São eles:

  • Definição do investimento necessário;
  • Negociação da parte societária;
  • Calcular o valuation.

Seguindo esses três processos é possível amenizar os riscos que envolvem o investimento. Destacando que o valuation deve ser a última parte deste processo.

Deseja trabalhar no mercado financeiro? Acesse o Certifiquei e descubra os principais cursos preparatórios voltados para quem busca os certificados da área. Confira!

Importância do valuation para profissionais do mercado financeiro

valuation

Independente se o foco de atuação do profissional no mercado financeiro é voltado para grandes ou pequenos negócios, ou, se sua metodologia é dedicada para o longo prazo ou curto prazo, o entendimento do valuation na prática é essencial para a carreira desta pessoa.

Como apontado ao longo do texto, é este dado que possibilitará com que o investidor não pague um valor superior ao que a ação realmente vale, isto é, não comprar ativos quando seu preço estiver distorcido devido a fatores que não são relacionados propriamente ao negócio.

Além disso, tal prática auxilia que a venda de um ativo não seja por um preço baixo, assim é possível não ter prejuízo em um negócio.

Para isso, é necessário que o profissional esteja atento a alguns fatores.

Fatores relevantes ao profissional

O sucesso de grande parte dos profissionais do mercado financeiro está atrelado a sua capacidade de conseguir encontrar bons investimentos e geri-los da forma correta. Para alcançar isto, a utilização do valuation se torna de suma importância.

Porém, é necessário que alguns fatores sejam levados em consideração.

Inicialmente, é importante entender qual o método de avaliação será mais útil para a análise de investimentos. Afinal existem diferentes formas de atuar e, como visto anteriormente, diferentes métodos para se analisar o valor de uma ação.

Entender o que analisar em empresas de pequeno porte, especialmente startups, também é outro passo relevante para este profissional, afinal neste segmento ele pode achar investimentos em potencial.

Outro fator para ser levado em conta é: o valuation não é um dado exato, mas sim uma estimativa. Portanto, este método não pode ser utilizado como verdade definitiva, mas sim como parâmetro.

Dessa forma é possível aproveitá-lo da melhor forma.

Por fim, há um fator relevante no período de estudo do valuation, isso é, o processo para alcançar o valor intrínseco é complexo, porém, quando bem feito pode render frutos ao profissional em situações que vão além da análise do valuation.

Isso porque o método para se chegar ao valuation de uma empresa exige a análise de uma série de dados e informações.

Dessa forma, é possível que o profissional consiga utilizá-los não apenas pela finalidade de encontrar o valor justo por um ação.

Ou seja, essas informações também podem auxiliar na análise de outras métricas de investimentos, como por exemplo, conseguir elencar pontos fortes e fracos de um negócio.

Portanto o valuation pode ser considerado como uma das principais ferramentas de análise do mercado de capitais, sendo de extrema utilidade aos profissionais que atuam no campo.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas