Certificação CGA: o que é, como funciona e como ser aprovado?

CGA
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A Certificação CGA foi criada pela ANBIMA para autenticar o conhecimento dos profissionais de gestão de investimentos e autorizar a sua atuação como gestor de investimentos.

O objetivo da CGA é garantir que esses profissionais tenham bom domínio sobre ferramentas e produtos financeiros exigidos pelos seus clientes.

  1. O que é a Certificação CGA?
  2. O que faz um gestor de investimentos?
  3. Qual a diferença entre as certificações CGA, CGE e CEA?
  4. Como funciona a Certificação CGA?
  5. Onde o profissional certificado pela CGA pode atuar?
  6. Como funciona o exame da Certificação CGA?
  7. Quais os requisitos para obter a Certificação CGA?
  8. Como se preparar para a prova da Certificação CGA?
  9. Vale a pena tirar a Certificação CGA?

O que é a Certificação CGA?

A Certificação CGA, também chamada de Certificação de Gestores ANBIMA, serve para reconhecer e autorizar a atuação dos Gestores de Investimentos, que são os profissionais que trabalham com a tomada de decisão sobre o investimento e a alocação de recursos de terceiros.

Esse trabalho de gestão de ativos pode ser exercido por meio de veículos de investimento coletivo, como os fundos, ou estratégias individuais, a partir de uma carteira de investimentos. Servindo como um selo de qualificação ANBIMA, a CGA serve para atestar que esses profissionais possuem toda a qualificação necessária para desempenhar a função.

Ela é, atualmente, uma das três possibilidades de certificações disponibilizadas pela ANBIMA para habilitar o profissional a realizar a gestão de recursos de terceiros.

Porém, a sua forma de atuação se encontra somente nos investimentos considerados tradicionais, como renda fixa, ações, cambiais e multimercados.

No caso da certificação voltada aos gestores, o objetivo principal é garantir a excelência do trabalho desses profissionais. Além disso, a exigência da certificação também visa garantir a segurança dos investidores que possuem seus recursos geridos.

O que é a ANBIMA?

A ANBIMA, ou Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro, é uma associação criada em 2009. Ela fala em nome de instituições como distribuidoras, bancos, administradoras, corretoras de valores e gestoras, com mais de 340 associados.

Ela é a principal certificadora de profissionais do mercado financeiro brasileiro no setor de distribuição de produtos de investimento. A ANBIMA possui mais de 2 mil certificações financeiras emitidas.

O que faz um gestor de investimentos?

CGA
O gestor de ativos é o profissional responsável por montar a carteira de investimentos de clientes, prestando serviços individuais ou em fundos de investimento.

Em seu cotidiano, o gestor de investimentos estuda o mercado e busca por mudanças positivas para identificar tendências. A partir disso, ele une os objetivos traçados junto aos investidores e define quais são as melhores oportunidades para aplicar.

Por possuir a função de administrador, esse profissional pode emitir ordens de compra e venda dos títulos, em nome de quem ele representa.

Qual a diferença entre as certificações CGA, CGE e CEA?

Tanto a certificação CGA quanto a CEA são direcionadas para profissionais que já estão no topo da carreira no mercado financeiro. No entanto, existem algumas diferenças entre cada uma das certificações.

Além disso, foi criada recentemente pela ANBIMA a CGE, um novo selo que serve para profissionais do ramo.

CGA – Certificado de Gestores ANBIMA

Diferentemente das outras certificações oferecidas pela ANBIMA (CPA 10, CPA 20 e CEA), a CGA é uma prova direcionada para quem deseja desempenhar atividades de gestão profissional de recursos de terceiros. Portanto, ela é bastante recomendada para quem deseja atuar como gestor de fundos de investimento.

Agora, com a criação da CFG e CGE, a CGA se tornou um selo para quem deseja trabalhar com os fundos mais tradicionais, que são os de renda fixa, de ações, de câmbio e de multimercado.

Outro fato particular da CGA é que, ao contrário das outras provas, ela só é aplicada quatro vezes ao ano, enquanto o restante dos exames pode ser aplicado até diariamente.

CGE – Certificação de Gestores ANBIMA para Fundos Estruturados

A CGE é uma certificação que possibilita ao profissional atuar com a gestão profissional de bens.

Porém, diferentemente da CGA, aqui se trata de fundos como os de investimento em participações (FIP), em direitos creditórios (FIDC) e investimento imobiliários (FII).

Assim, ela é uma possibilidade para quem deseja atuar como gestor mas não quer estar nos investimentos tradicionais, possibilitados pela CGA.

CEA – Certificação Especialista de Investimentos ANBIMA

A CEA é uma prova voltada a capacitar profissionais que atuam na distribuição de produtos de investimento para o público cliente de bancos. Portanto, essa prova é voltada para os profissionais que assessoram gerentes de contas que ofertam esses produtos, e não para aqueles que atendem o público geral.

Seguindo a hierarquia da ANBIMA, o profissional habilitado na CEA pode realizar funções da CPA 10 e CPA 20. Ou seja, a principal diferença entre CEA e CGA é que enquanto a primeira se decida a capacitar pessoas para a venda de produtos, a segunda é focada em capacitar gestores de recursos.

Ser um profissional certificado é o primeiro passo para começar sua carreira no mercado financeiro. Confira nossos cursos e se prepare da melhor forma para tirar sua certificação!

Como funciona a Certificação CGA?

A Certificação CGA é composta por uma prova de com 45 questões. Como dito anteriormente, o processo de certificação ocorre cerca de 4 vezes ao ano, em:

  • Abril;
  • Junho;
  • Outubro;
  • Dezembro.

Para passar nas provas, o aluno deve ter um aproveitamento de 70% no exame. Nele, são cobradas diversas matérias apresentam as ferramentas utilizadas no mercado, como análise de balanço, economia, modelos quantitativos, etc.

Também é aplicada a teoria do mercado de renda fixa, derivativo e variável, além de algumas questões sobre legislação e ética dos fundos brasileiros.

Além disso, ela possui um bom grau de subjetividade, com a maioria das matérias abordando questões sobre a gestão de carteiras de renda fixa e variável, gestão de risco de desempenho e modelos de precificação.

Portanto, o exame da CGA cobra dos candidatos uma visão mais ampla dos produtos, teorias e leis envolvidas no mercado financeiro e nos processos de tomadas de decisões financeiras.

Cabe pontuar também que a validade da CGA é de três anos a partir do momento em que o candidato é aprovado. Chegando nessa data, é necessário realizar um curso online para mantê-la válida.

No entanto, existe uma exceção para essa autenticação, que é quando o profissional permanece atuando nessa função.

Onde o profissional certificado pela CGA pode atuar?

Os profissionais qualificados com a CGA podem atuar em diferentes setores do mercado, como:

  • Empresas que adotam o Código de Certificação ANBIMA;
  • Outras organizações financeiras, mesmo que não adotem o código;
  • Órgãos públicos ou autarquias.

Além disso, os profissionais com a certificação CGA possuem grande prestígio dentro do mundo dos investimentos. Por isso, além da qualificação para a gestão de investimentos, é possível trabalhar em diversas outras áreas a partir do conhecimento comprovado sobre o mercado.

Quer tirar sua certificação financeira? Confira os cursos da Certifiquei e se prepare para as provas com o suporte dos melhores profissionais do mercado.

Como funciona o exame da Certificação CGA?

O exame CGA é composto por somente uma prova com 45 questões. O exame exige um conhecimento específico de alto nível para a atuação de um gestor de investimentos.

E o conteúdo que cai no exame é:

  • gestão de carteiras em renda variável
  • gestão de carteiras em renda fixa
  • investimentos no exterior
  • avaliação de desempenho
  • gestão de risco
  • legislação, regulação e tributação

Duração do exame CGA

O tempo de realização da prova é de duas horas e meia, e para ser aprovado, o aluno deve ter um aproveitamento de 70%.

Valor do exame CGA

Com a adição dos novos selos da ANBIMA, CFG e CGE, e a alteração da CGA, os valores de inscrição para o exame não foram divulgados ainda.

Porém, cabe pontuar que o preço para associados ANBIMA era de R$549, enquanto para não associados era de R$659.

Para fazer a inscrição e o agendamento é preciso entrar no site da ANBIMA e escolher o dia de realização.

Como reagendar a prova?

Se, por algum motivo, for preciso reagendar o exame, é necessário cancelar a data anteriormente marcada. Isso, no entanto, só pode ser feito duas vezes, dentro de um período de até 8 dias antes do exame. Após isso, é necessário fazer uma nova inscrição e, consequentemente, um novo pagamento.

Quer trabalhar no mercado financeiro? A Certifiquei oferece os melhores cursos preparatórios para você tirar a sua certificação. Confira!

Quais os requisitos para obter a Certificação CGA?

Apesar de ser relacionada a uma profissão que exige extrema responsabilidade, boas análises e muito cuidado, não existem muitos pré-requisitos para ser certificado com a CGA.

Anteriormente, era preciso possui nível superior. Agora, não há exigência de escolaridade mínima.

Porém, com a criação da CFG, é necessário que, além de passar na prova, o candidato possua a CFG, CFA ou CAIA para poder tirar a CGA.

Como se preparar para a prova da Certificação CGA?

A qualificação de um gestor de ativos exige o domínio de um conteúdo de alto nível. Sendo assim, é necessário estudar bastante para as provas.

Dessa forma, para se destacar e conseguir bons resultados com o exame, você pode seguir algumas estratégias, como:

Conheça todo o conteúdo

O primeiro passo para quem deseja ter um bom resultado em um teste é entrar em contato com todo o conteúdo aplicado nos exames.

Para isso, você pode buscar por vídeo-aulas, artigos e outros conteúdos sobre a CGA na internet. O importante, antes de tudo, é registrar e revisar o conteúdo das provas da CGA no formato mais confortável e prático para você.

O Certifiquei oferece algumas opções de cursos preparatórios para exames como o da CGA. Confira!

Faça simulados

Uma boa forma de se acostumar com o formato das duas provas é realizar simulados algumas vezes antes do exame. Para isso, você pode buscar por provas antigas na internet.

Dessa forma, é possível identificar pontos que você possui mais facilidade e também aqueles que ainda exigem um pouco mais de atenção.

Priorize o mais fácil

No momento de estudar, não adianta focar somente naquilo que você tem mais dificuldade e deixar de lado os assuntos considerados “fáceis”. Ao contrário do que parece, isso prejudica bastante seus resultados na prova, já que não é preciso acertar todas as questões.

Portanto, garanta excelência naquilo que você já tem certo conhecimento e, só então, passe para os conteúdos mais difíceis. Assim, mesmo que você não acerte tudo, poderá alcançar os 42 acertos em cada prova, que são suficientes para obter a certificação.

Vale a pena tirar a Certificação CGA?

Mesmo não sendo uma certificação obrigatória pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a CGA é obrigatória para quem deseja trabalhar em organizações que seguem o código de certificação ANBIMA.

Essas instituições são representadas pela ANBIMA, que trabalha de forma voluntária em busca das melhores práticas no mercado financeiro.

Portanto, com a certificação CGA, além de conquistar a possibilidade de ser um bom gestor de investimentos, o profissional também ganha prestígio no meio financeiro.

Isso porque a CGA é uma das certificações que representam um grande diferencial no mercado, já que exigem bastante conhecimento para ser obtida.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas