Política de Investimentos: entenda sobre as medidas de atuação do mercado

politica-investimentos
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

O que é uma política de investimentos?

Boa parcela das estratégias da bolsa de valores são voltadas para busca pelos ganhos no longo prazo, todavia, para estas, a adoção de uma política de investimentos pode ser um grande diferencial.

Isso porque a política de investimentos é um conjunto de medidas que visa estruturar um plano de ação visando a atuação no mercado, isto é, a construção de uma estrutura que possibilite ganhos no longo prazo. 

Vale destacar que tal prática é adotada especialmente por fundos de investimentos, sendo que neste tipo de situação, os gestores responsáveis estruturam uma política que vai nortear os investimentos realizados por tal fundo. 

Ou seja, é através desta prática que se define o objetivo do fundo, classe de ativos que farão parte daquela carteira, porcentagem que os ativos podem representar no portfólio, entre outras questões acerca da estrutura. 

Dessa forma, este tipo de prática é de relevância para o mercado financeiro e para o funcionamento dos fundos de investimentos.

Assim, é útil entender mas de modo mais profundo a importância que a política de investimentos possui.


Trabalhe no mercado que mais cresce e remunera no Brasil! Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique para atuar no mercado de capitais!

Importância da prática

Para os fundos de investimentos, a estruturação de uma política é importante para definir dois pontos, são eles:

  • Objetivo do fundo de investimento;
  • Tipos de ativos que farão parte daquele fundo.

Ou seja, a política de investimentos tem como papel, neste contexto, aliar o perfil do fundo e os ativos que farão parte da carteira.

Por exemplo, caso o fundo seja de ações, é necessário que no mínimo 67% do fundo seja composto por este tipo de ativo financeiro. 

Dessa forma, o gestor do fundo vai utilizar a política de investimentos para estruturar o fundo da melhor forma para o contexto. 

Assim, este profissional pode aumentar a porcentagem de ações do fundo, compor com ativos de renda fixa, realizar uma diversificação de carteira com produtos do mercado internacional, entre outras ações. 

O mesmo vale para qualquer tipo de fundo de investimento, assim a política de investimentos é uma prática recorrente na construção de portfólios.

Além disso, uma política de investimentos clara pode ser uma vantagem para o fundo no momento de atrair novos investidores.

Afinal, fundos que apresentem o seu perfil aliado com seu portfólio tendem a ter retornos consideráveis, se tornando assim um atrativo para diferentes perfis de investidores. 

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Baixe o ebook gratuito e saiba como fazer sua transição de carreira para o Mercado Financeiro!

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Construção da política de investimentos

Como visto até aqui, o planejamento de investimentos é um passo importante na construção de um fundo de investimentos.

Dessa forma, para se construir este tipo de política são considerados diferentes pontos. 

Afinal, o mercado financeiro é influenciado por uma vasta diversidade de fatores, assim é necessário considerá-los na construção de uma política de investimentos. 

Portanto, é comum que os gestores, no momento de definir a política a ser seguida pelo fundo, avaliem questões como:

  • Economia global e contexto econômico do período;
  • Expectativa acerca das taxas de juros;
  • Política monetária e fiscal do país;
  • Expectativa de rentabilidade por classe de ativos;
  • Porcentagem de cada categoria de ativo e diversificação da carteira;
  • Avaliação dos existentes no portfólio.

Ou seja, a construção da política de investimentos depende tanto de fatores macroeconômicos, quanto microeconômicos. 

 

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas