Empresa de capital aberto: o que é e como funciona?

empresa de capital aberto
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Uma empresa de capital aberto gera possibilidades de investimento de modo simples e fácil, acessível a qualquer pessoa. No entanto, os resultados obtidos estão relacionados aos lucros ou prejuízos da companhia.

Através da bolsa de valores é possível adquirir facilmente ações de uma empresa de capital aberto, sendo assim, um investimento de renda variável.

O que é capital aberto?

Capital aberto é o termo utilizado para identificar uma empresa que possui sociedade anônima. Ou seja, uma companhia de capital aberto tem suas ações disponíveis na bolsa de valores.

Dessa forma, para poder tornar-se acionista de uma empresa de capital aberto, basta investir nas suas ações. Já no caso de uma empresa de capital fechado, isso não é possível, visto que a sociedade é limitada.

Por conta disso, o acionista que adquire ações de uma determinada empresa passa a ser proprietário daquela fração do capital social, inclusive, arcando com dívidas assumidas pela companhia.

Isso significa que, no caso de ocorrer falência, o acionista perderá o valor investido nas ações. Em contrapartida, caso a empresa apresente lucros, ele receberá os dividendos referentes às suas ações.

As empresas de capital aberto são, portanto, sociedades anônimas. Isso quer dizer que, para se tornar um acionista, basta investir nas ações daquela empresa na bolsa de valores.

Para adquirir ações de empresas com capital aberto, basta fazer a compra pela bolsa, sem a necessidade de realizar uma escrituração pública de propriedade. Desse modo, adquire-se parte do capital sem grandes burocracias.

Diferença entre empresas de capital aberto e fechado

De modo simples, a diferença de capital aberto e fechado é justamente a comercialização das ações. Conforme já foi mencionado, nesse tipo de empresa, as ações são livremente negociadas.

Em contrapartida, para se tornar um acionista de uma empresa de capital fechado, torna-se bem mais complexo. Para isso, é necessário contatar diretamente a empresa e descobrir se existe essa possibilidade.

Essas são, portanto, as principais diferenças entre uma empresa de capital aberto e fechado.

Além disso, outro fator sobre o que é e como funciona o capital aberto é a contabilidade. Isso porque uma empresa de capital fechado tem a sua parte contábil executada por profissionais contratados.

Em outras palavras, a contabilidade da empresa de capital fechado é feita por contadores contratados pela própria empresa. Isso mantém as informações de faturamento sob domínio da direção.

Já nas empresas de capital aberto, a contabilidade é conduzida de modo diferente. Ou seja, a direção e/ou proprietários não podem intervir na contabilidade da companhia.

Portanto, elabora-se um conselho de contabilidade que fica responsável pela autonomia da verificação das contas. Tal conselho é normalmente escolhido pelos acionistas da companhia.

Quer trabalhar no mercado financeiro? O Certifiquei oferece os melhores cursos preparatórios para você tirar a sua certificação. Confira! 

Como abrir o capital de uma empresa?

É muito simples entender como abrir o capital de uma empresa, visto que é necessário apenas que a companhia seja ativa e devidamente registrada. Além disso, é necessário cumprir as exigências da Lei n° 6404/76.

Para que esse processo de abertura de capital seja feito, é necessário protocolar um pedido de registro na CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Depois disso, é necessário solicitar a participação na listagem da bolsa.

Esses são, de modo geral, os passos para abrir o capital de uma empresa. Evidentemente, existem algumas taxas a serem pagas, sem contar o preparo interno da corporação para esse processo.

É importante que a empresa monte uma equipe interna para realizar as mudanças ao novo modo de capital. Assim, é necessário alterar métodos de governança, a fim de tornar a gestão mais transparente.

Será necessário também alterar o conselho e a administração fiscal. Da mesma forma, é necessário observar as exigências legais do novo tipo de capital que a empresa assumirá.

Um fator muito importante que deve ser analisado é se vale a pena abrir o capital. Isso porque essa alteração leva tempo e custa dinheiro. Essa é uma ótima ideia, desde que existam investidores interessados.

Assim, averiguar essas variáveis é tão importante. Se não houver perspectivas de atrair novos investidores, é melhor manter o capital fechado.

Quais empresas podem abrir capital na bolsa?

empresa de capital aberto

Tão importante quanto entender o que é uma empresa de capital aberto, é compreender os motivos que levam um negócio a fazer isto. 

Em suma, é possível destacar que este processo é uma forma de melhorar o funcionamento da empresa, isto é, as cobranças de uma empresa deste tipo são elevadas.

Por exemplo, para atuar na bolsa de valores, o negócio deve atender uma série de requisitos que vão desde a governança do negócio, até a liberação de seus balanços financeiros de modo detalhado.

Assim, abrir capital é um processo complexo que demanda uma série de questões da empresa, como apontado anteriormente. 

Dessa forma, natural que os motivos que levam uma empresa para este caminho sejam fortes.

Inicialmente, vale destacar que abrir capital na bolsa de valores é uma forma de conseguir recursos financeiros, sendo que estes podem ser utilizados para diferentes frentes, incluindo a expansão do negócio. 

Ou seja, atrativos financeiros estão entre os principais motivos que levam um negócio a realizar este processo.

Além disso, a credibilidade das empresas de capital aberto é outro aspecto avaliado por negócios que desejam seguir este caminho.

O que não é à toa, visto que este processo é uma forma de demonstrar para o mercado que a empresa atende as normas da CVM, especialmente nas questões que envolvem a transparência de suas ações. 

Por fim, mas não menos relevante, é que a abertura de capital é um modo útil para o controle do endividamento, pois existem formas de atrair recursos que visam o pagamento de dívidas. 

Debêntures, por exemplo, são títulos de crédito emitidos por empresas que buscam capital para pagar dívidas. 

Portanto, investidores comprarão estes títulos visando ter retorno com juros posteriormente.

Como investir em empresas de capital aberto

Como apontado até aqui, uma sociedade anônima de capital aberto negocia suas ações na bolsa de valores. 

Ou seja, suas ações estão disponíveis para investidores que desejam comprar ativos financeiros. 

Todavia, para adquirir títulos de um negócio, inicialmente o investidor deve abrir conta em uma instituição financeira que atua na área, como são os casos das corretoras de valores e os bancos de investimentos.

Em seguida, é necessário acessar o home broker disponível na instituição financeira, sendo que esta ferramenta dará acesso à bolsa de valores. 

Assim, nesta ferramenta, o investidor tem uma série de produtos financeiros disponíveis, incluindo os ativos financeiros relacionados às empresas de capital aberto.

Entre as variações de formas de investimentos, o investimento direto é o mais recorrente, sendo que este é a compra das ações disponíveis no mercado.

Contudo, ainda é possível adquirir os ativos financeiros da empresa de modo indireto, para isso existem fundos de investimentos, com destaque para os fundos de ações, os FIAs

Em suma, um fundo é um modo coletivo de investimentos, sendo que o FIA pode ser composto por ações de diferentes empresas.

Dessa forma, o investidor adquire cotas do fundo, que terá sua volatilidade relacionada ao desempenho médio dos ativos financeiros que fazem parte de sua carteira. 

Portanto, esta é uma modalidade de investimentos interessante para quem busca equilibrar risco e retorno. 

De todo modo, no processo o indivíduo deve considerar o seu perfil como investidor e analisar os produtos financeiros em questão. 

Vantagens e desvantagens

As principais vantagens ao abrir o capital de uma empresa são:

  • ampliação de recursos financeiros;
  • aumento da flexibilidade estratégica;
  • melhora da imagem da empresa;
  • redução de riscos.

Evidentemente, abrir o capital de uma empresa pode ser muito vantajoso, visto que essa mudança favorece o crescimento de uma organização.

No entanto, é importante que todas as variáveis sejam bem analisadas, já que a abertura do capital também pode oferecer algumas desvantagens caso não exista um bom planejamento.

Entre as desvantagens de se abrir o capital de uma empresa, podemos, portanto, mencionar 5 pontos negativos. Veja a seguir:

  1. altos custos e taxas;
  2. maior exposição legal;
  3. divulgação dos resultados;
  4. diminuição da autonomia;
  5. maior pressão do mercado.

Pontos positivos e negativos devem ser avaliados com cautela

Em síntese, a abertura do capital de uma empresa pode trazer pontos positivos e negativos. Por conta disso, é de suma importância avaliar a viabilidade de se realizar a abertura de capital.

Abrindo-se o capital de uma empresa, quando bem analisado, é possível conseguir mais recursos para a empresa, além de torná-la mais flexível para atuar diante do mercado.

Dessa forma, é possível também melhorar a imagem da companhia, visto que para realizar a abertura de capital são necessários diversos processos de controle e auditorias, garantindo assim a transparência e confiabilidade.

Em contrapartida, alguns pontos negativos também podem ser sentidos pela empresa, como é o caso dos custos constantes com taxas e estruturação. Além disso, perde-se parte da autonomia e sigilo da empresa.

Ainda assim, a pressão do mercado pode acabar levando a empresa à tomada de atitudes precipitadas, visando alcançar um crescimento acelerado. Portanto, é fundamental avaliar muito bem essas possibilidades.

Afinal, com uma empresa de capital aberto e dispor as ações na bolsa de valores precisa de cautela pois se bem manuseada, é um facilitador; porém, se mal conduzida, pode prejudicar a empresa.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas