Fundo de dívida externa: entenda o que é e como funciona

Fundo de dívida externa: entenda o que é e como funciona
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Para os investidores em títulos do Tesouro Direto, você também aplica dinheiro em papéis da dívida interna do Governo Federal. Porém, para diversificar a carteira, é possível destinar recursos para os títulos do fundo de dívida externa. 

O fundo de dívida externa é uma categoria de renda fixa. Apesar de ser pouco conhecido, é uma boa opção para o investidor diversificar a carteira com um fundo de investimento. 

O que é fundo de dívida externa?

O fundo de dívida externa é uma modalidade de aplicação em renda fixa, sendo possível aplicar no mínimo 80% dos recursos em títulos de dívida do Brasil no exterior. Esses títulos são negociados no mercado exterior e compõem a dívida brasileira lá. 

Para ser considerado fundo de dívida externa, é preciso aplicar os 80%. Essa regra é estabelecida pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Se não for assim, não é considerado dívida externa. 

Como o Brasil recorre às ajudas externas para equilíbrio de caixa, o governo emite títulos que podem ser comprados tanto por bancos estrangeiros quanto por governos e instituições financeiras de outros países. 

Mas é importante ressaltar que a dívida externa brasileira não é composta apenas por títulos do Governo Federal, mas também de débitos de países originados dos empréstimos no exterior. 

Sendo assim, a dívida externa se configura como tudo que um país (isso inclui governo federal, estadual, municipal e empresas privadas) deve no exterior. 

O Tesouro emite os títulos globais, também chamados de Global Bonds, em dólares, segundo o Banco Central do Brasil. Mas também há emissões em reais, euro e outras moedas. Mas os títulos em dólar são os papéis mais longos. 

As características dos títulos de fundo de dívida externa são as seguintes:

  • Definição de um cupom de juros na primeira emissão
  • Na emissão já é atribuída a taxa de juros
  • Ao vencer o título, é pago o valor principal


Já pensou em ser um profissional do mercado financeiro? Conheça os cursos do Certifiquei e se qualifique!

Tributação e rentabilidade dos fundos de dívida externa

A primeira coisa a saber é sobre a tributação do fundo de dívida externa. Os tributos cobrados em cima do valor são o IR (Imposto de Renda), que é obrigatório.

Além disso, se o resgate for feito antes de 30 dias, também é cobrado o IOF (Impostos sobre Operações Financeiras) na tributação do título de dívida externa. Importante ressaltar que, na cobrança do IR, também é descontado o valor recolhido no come-cotas. 

Na tributação do IR no fundo de dívida externa, o valor segue a tabela dos fundos de curto prazo, sendo assim podem haver dois modelos de alíquota: 

  • 180 dias de aplicação: cobrança de 22,5%
  • Além de 180 dias de aplicação: 20%

Já com o come-cotas, que é o adiantamento do Imposto de Renda que é feito duas vezes ao ano (maio e novembro), é descontado no IR pago ao fazer o resgate. 

Ao realizar o resgate desse fundo, o desconto da alíquota do come-cotas é feito no total de 20%, já que são fundos de curto prazo. 

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Baixe o ebook gratuito e saiba como fazer sua transição de carreira para o Mercado Financeiro!

A melhor forma de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

EBOOK GRATUITO | A melhor maneira de fazer uma transição de carreira e entrar no Mercado Financeiro

Rentabilidade 

A rentabilidade do fundo de dívida externa depende de dois fatores. O primeiro são os juros pagos pelos emissores dos papéis, que são pagos semestralmente. Sendo assim, entram fatores como percepção de risco, estabilidade política, cenário macroeconômico, entre outros. 

O segundo fator é a taxa de câmbio, já que o fundo de dívida externa é negociado no mercado internacional. Se o real estiver valorizado em relação ao dólar, a rentabilidade do título de dívida externa diminui se analisarmos o resultado em real. 

 

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas