CPA 10 e CPA 20: quais as diferenças entre as certificações?

CPA 10 e CPA 20: o que são e quais as principais diferenças?
Share on twitter
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Ao falar sobre o Mercado Financeiro, é necessário ter em mente que existe uma variedade de carreiras as quais podem ser seguidas, e algumas delas podem exigir uma série de certificações, como é o caso da CPA 10 e CPA 20.

No entanto, a CPA 10 e CPA 20 são certificações que atuam diretamente sobre a distribuição de produtos de investimento, com uma diferença entre os públicos o qual cada uma age.

O que são as certificações CPA 10 e CPA 20?

CPA 10 e CPA 20 são certificações concedidas pela Anbima, Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais.

Trata-se de uma das entidades financeiras mais importantes do país, e também a principal certificadora para profissionais que atuam nesta área.

Assim, profissionais que atuam dentro do Mercado Financeiro e estão em busca da CPA 10 ou 20 podem buscar pelos exames oferecidos no site da empresa.

Vale pontuar que esta é uma área com bastante concorrência, sendo necessário possuir um diferencial para conquistar algumas vagas.

As certificações financeiras geram uma maior capacitação do profissional ao mesmo tempo em que possibilitam a legalidade das respectivas atividades trabalhistas.

E tanto a certificação de número 10 como a 20 podem ser consideradas distintivas neste sentido, possibilitando que cada profissional do mercado atue na área de interesse conforme os conhecimentos que cada uma proporciona.

Contudo, para ambos os casos, normalmente profissionais do ramo bancário serão aqueles que mais terão interesse e, consequentemente, realizarão o exame.

Isso se dá a medida em que, de acordo com a Resolução CMN 3158/2005, é obrigatório que operadores que lidam com produtos de investimentos sejam certificados.

Assim, existe a garantia de que os funcionários de bancos serão habilitados e possuem capacidade técnica.

Além disso, através destas certificações é possível gerar novos conhecimentos de acordo com a competência CHA (conhecimentos, habilidades e atitudes).

Quais as principais diferenças entre essas certificações?

Para quem quer trabalhar no Mercado Financeiro, existe uma dúvida sobre qual é a diferença entre as certificações CPA 10 e 20, uma vez que ambas são oferecidas pela Anbima e recomendadas para quem trabalha neste setor.

E, de forma geral, podemos analisar que uma prova é substitutiva da outra.

Isso ocorre uma vez que uma pessoa certificada em CPA 20 pode fazer tudo o que uma pessoa com CPA 10 é capacitada para realizar.

Por isso, existe uma recomendação de que a pessoa realize primeiro a 20 para então realizar a 10, caso queira.

Uma outra diferença que existe é a quantidade de capítulos e também de profissionais certificados por ambas.

Quando falamos em matérias, a segunda possui quatro, mas todos eles são iguais aos da outra certificação.

Agora, falando sobre quantidade de pessoas reconhecidas, trata-se de 380 mil na CPA 10 para somente 111 mil na 20.

Assim, é notório que a série 20 oferece um maior benefício do que a outra certificação uma vez que, mesmo realizando uma, chegará um momento no qual será necessário fazer a outra.

O valor de ambas, no entanto, não pode ser considerado baixo.

Enquanto a primeira é oferecida por R$272 para associados da Anbima, a segunda custa R$429 para pessoas associadas.

Já para pessoas que não possuem associação com a empresa, os preços sobem para R$327 na CPA 10 e R$514 para a segunda certificação.

Para quem é indicada a CPA 10?

De forma geral, é possível entender que a certificação profissional Anbima série 10, ou simplesmente certificação CPA 10 é destinada para profissionais que agem na distribuição de produtos de investimentos.

E dentro deste mercado existe um foco maior para três profissionais, sendo:

  • profissionais que trabalham em instituições que seguem o Código de Certificação da Anbima;
  • profissionais de instituições financeiras em geral, mesmo que não tenham aderido ao código da Anbima;
  • estudantes ou profissionais de autarquias ou órgãos públicos.

Entretanto, uma recomendação da própria Anbima é que, antes de realizar a inscrição, o candidato leia o edital com atenção.

Isso é necessário uma vez que ele leva informações importantes sobre todo o processo da certificação, desde inscrição até divulgação de resultados.

E a CPA 20, qual é a indicação?

Assim como a anterior, a certificação CPA 20, também conhecida como certificação profissional Anbima série 20, é destinada para profissionais da distribuição de produtos de investimentos.

Contudo, a diferença para a anterior se dá justamente nos segmentos os quais estas pessoas trabalham.

Aqui, temos:

  1. varejo de alta renda;
  2. private;
  3. corporate;
  4. investidores institucionais, tanto em agências bancárias ou plataformas de atendimento.

E, como citado anteriormente, uma vez obtida a CPA 20, o profissional se torna capaz de exercer todas as atividades de uma pessoa com CPA 10.

Agora, ao falar sobre a quem se destina esta certificação, temos o mesmo público que a anterior.

Assim, temos como maior recomendação realizar esta prova ao invés da anterior, apesar de seu preço mais alto.

Está em busca de uma certificação no Mercado Financeiro? Confira os cursos do Certifiquei e fique por dentro dos conteúdos cobrados nas principais provas.

Como funcionam as provas de ambas as certificações?

A primeiro momento, cabe ressaltar que ambas podem ser conquistadas através de uma prova da Anbima.

Contudo, existem diferenças entre a prova da CPA 10 e a prova da CPA 20. Estas, por sua vez, começam com a duração de cada uma das provas.

Para a primeira, temos um período de duas horas para sua realização. Já a segunda, conta com duas horas e meia de extensão.

Quanto a data e horário, em ambas as provas o candidato pode agendar de acordo com sua escolha.

O número de questões também varia entre ambas as provas, sendo 50 para a CPA 10 e 60 para a 20.

Mas para as duas é necessário acertar cerca de 70% para alcançar a aprovação e o tão sonhado certificado.

Assim, temos 35 questões para a primeira certificação e cerca de 42 para a segunda.

Existem requisitos mínimos para cada uma das certificações?

Apesar de ser algo necessário para uma melhor atuação dentro deste mercado de trabalho e até mesmo um diferencial, não existe nenhum pré-requisito para estas certificações.

Assim, não é necessário ter ensino superior, estar trabalhando ou até mesmo ter nome limpo, como é o caso de algumas outras certificações.

Por isso, qualquer pessoa pode entrar no site, realizar a matrícula, pagar a taxa de inscrição e, então, fazer o exame.

A preocupação, então, é somente a de passar na prova, algo conquistado através da preparação certa.

Cabe dizer que não é necessário possuir a CPA 10 para poder realizar a prova da 20.

E ambas, por sua vez, são consideradas como uma certificação básica em investimento, sendo cruciais para profissionais que trabalham neste ramo.

Além disso, ambas são certificações muito conhecidas uma vez que é necessário que todos os bancários saibam pelo menos o básico sobre investimentos para atuar dentro dessa profissão.

Como posso me preparar para os exames da CPA 10 e CPA 20?

Como Posso Me Preparar Para Os Exames Da CPA 10 E CPA 20

Quando um candidato se matricula para a certificação, seja CPA 10 ou CPA 20, um ponto crucial se torna justamente se preparar para a prova.

E a primeiro momento, o aconselhado é justamente estudar.

Porém, não tente estudar tudo o que cai em qualquer uma das provas em apenas um dia,

Essa recomendação se dá uma vez que, para qualquer um dos dois exames, o conteúdo é extenso.

Logo, faça um plano de estudos tendo em vista que, para a CPA 10, existem sete capítulos, divididos da seguinte forma:

  1. Sistema Financeiro Nacional (de 5% a 10% de peso na prova);
  2. Providência Complementar Aberta: PGBL e VGBL (5% a 10%);
  3. Ética, Regulamentação e Análise do Perfil do Investidor (10% a 15%);
  4. Noções de Economia e Finanças (10% a 15%);
  5. Princípios de Investimento (10% a 20%);
  6. Fundos de Investimento (20% a 30%);
  7. Instrumentos de Renda Fixa e Renda Variável (15% a 25%).

Agora, para segunda prova, temos os seguintes conteúdos e pesos no exame:

  1. Sistema Financeiro Nacional e Participantes (5% a 10%);
  2. Princípios Básicos de Economia e Finanças (5% a 10%);
  3. Previdência Complementar Aberta: PGBL e VGBL (5% a 10%);
  4. Mensuração e Gestão de Performance e Risco (10% a 20%);
  5. Compliance Legal, Ética e Análise do Perfil do Investidor (15% a 25%);
  6. Instrumentos de Renda Variável, Derivativos e Renda Fixa (17% a 25%);
  7. Fundos de Investimentos (18% a 25%).

Para auxiliar nesse processo de estudo, existem diversos cursos de capacitação para o exame CPA 10 e o exame CPA 20.

E no Certifiquei você pode encontrar cursos preparatórios para ambas as certificações. Caso tenha interesse, não deixe de conferir clicando aqui.

Qual certificação é a melhor para mim?

Por fim, a dúvida que muitas pessoas possuem é justamente sobre qual exame fazer, conquistando então a certificação CPA 10 ou CPA 20.

E o mais recomendado é que o candidato vá atrás de conquistar a de série 20 primeiro. Através dela é possível realizar tudo o que uma pessoa certificada em CPA 10 pode fazer.

No entanto, devemos ter em mente que a 10 funciona como uma porta de entrada para certificações financeiras.

Logo, ela é mais recomendada para novatos no assunto enquanto a 20 é mais importante para gerar diferencial no mercado financeiro.

Se estiver em dúvida sobre qual começar entre CPA 10 e CPA 20, use o preço como fator decisivo, mas lembre-se que existe a possibilidade de, em um futuro próximo, precisar tirar a outra certificação também.

Guilherme Almeida
Guilherme Almeida
Bacharel em Economia e Especialista em Finanças Corporativas e Mercado de Capitais pelo Ibmec-MG. Mestrando em Estatística pela UFMG, atua como professor, palestrante e porta voz das áreas de economia e finanças, tendo concedido mais de mil entrevistas para os principais meios de comunicação. Atualmente, leciona matérias ligadas à Economia e ao Mercado Financeiro em cursos preparatórios para certificações financeiras, além de ser o Economista-Chefe do departamento de Estudos Econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

relacionadas